Omar Aziz afirma que CPI da Covid não ouvirá Queiroga e Guedes

A oitiva dos dois chegou a ser aventada por integrantes da cúpula da CPI, mas não era unanimidade entre senadores do grupo

O senador Omar Aziz. Foto: Pedro França/Agência Senado

O senador Omar Aziz. Foto: Pedro França/Agência Senado

Política

O presidente da CPI da Covid, Omar Aziz (PSD-AM), afirmou que a comissão não vai convocar os ministros da Saúde, Marcelo Queiroga, e da Economia, Paulo Guedes, para depoimentos na próxima semana, quando se espera finalizar os trabalhos do colegiado.

A oitiva dos dois chegou a ser aventada por integrantes da cúpula da CPI, mas não era unanimidade entre senadores do grupo, entre eles, o próprio Aziz. O objetivo era chamar Queiroga pela terceira vez, agora para falar sobre a suspensão da vacinação contra covid-19 de adolescentes acima dos 12 anos sem comorbidade, medida que provocou reação de governadores e especialistas.

Já Guedes seria convocado para explicar se a área econômica defendeu o “kit Covid” para evitar paralisação da economia.

Para Aziz, no entanto, convocar Queiroga seria “dar palco para doido”. “O Queiroga não vai somar. Vai lá dizer aquelas coisas, que vacinou 300 milhões de brasileiros, não vai acrescentar nada”, disse o presidente da CPI em resposta ao Estadão/Broadcast.

Em relação ao titular da Economia, o senador acredita que os assuntos referentes a ele podem ser abordados também em uma possível convocação do ministro pela Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE), para explicar a revelação de que possui empresas em paraísos fiscais.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem