Política

O que significa a bandeira de origem ucraniana usada em protestos bolsonaristas?

Polícia Militar investiga a presença de símbolo considerado neonazista em protesto na Avenida Paulista, no último domingo

Bandeira de origem ucraniana ligada a partido de extrema-direita aparece em cima de trio elétrico pró-Bolsonaro. Foto: Reprodução.
Apoie Siga-nos no

A avenida Paulista, em São Paulo, foi palco de intensas manifestações na tarde deste domingo 31. De um lado, torcidas organizadas protestando em defesa da democracia. Do outro, manifestantes defendendo o presidente Jair Bolsonaro. Além de faixas pedindo intervenção militar e o fechamento do Congresso e do STF, os manifestantes bolsonaristas seguravam algo que chamou a atenção de autoridades: uma bandeira de origem ucraniana considerada símbolo neonazista.

A bandeira rubro-negra com um tridente foi exibida em um trio elétrico e empunhada por alguns manifestantes. Segundo o secretário executivo da Polícia Militar de São Paulo (PM-SP), Coronel Camilo, um apoiador de Bolsonaro segurando uma “bandeira neonazista” teria sido um dos causadores do conflito deste domingo, ao se dirigir até o grupo de manifestantes antifascistas para fazer provocações.

Camilo também afirmou ao jornal O Globo que a PM analisará imagens para tentar confirmar a presença destes símbolos na manifestação. “Se forem identificadas pessoas com bandeira neonazistas, como foi falado, pessoas atentando contra a democracia, os responsáveis vão responder por isso”, disse.

Bandeira rubro-negra com tridente da Ucrânia, utilizada por movimento de extrema-direita Pravyi Sektor. Foto: Reprodução

Afinal, qual o significado da bandeira de origem ucraniana?

De acordo a embaixada ucraniana no Brasil, a bandeira rubro-negra simboliza “a nossa terra e o sangue de nossos heróis derramado por Liberdade, Independência e Soberania da Ucrânia”. Em nota, a representação oficial do país europeu no Brasil explicou ainda que a bandeira “foi usada desde o século XVI pelos cossacos ucranianos nas lutas contra invasores estrangeiros”.

No entanto, o significado atual da bandeira vai além: representa o Pravyi Sektor (Setor Direito), organização paramilitar criada em 2013 que virou partido político de extrema-direita na Ucrânia. O grupo incorporou o símbolo usado pelos habitantes da região durante a Idade Média. O tridente, por exemplo, é o brasão oficial do Estado ucraniano com a conversão do país ao Cristianismo pelas mãos do Príncipe Vladimir, no ano 988.

A associação do símbolo com grupos de extrema-direita ficou mais clara a partir da Segunda Guerra Mundial, quando a bandeira virou emblema do Exército Insurgente da Ucrânia, um movimento nacionalista e militar formado em 1941.

O grupo aliou-se com a Alemanha e apoio Hitler até a invasão da Ucrânia por tropas nazistas, dois anos mais tarde. Ao fim dos embates, a bandeira rubro-negra foi usada por tropas ucranianas em lutas contra União Soviética e Polônia. Com a incorporação da Ucrânia à União Soviética, o símbolo perdeu força.

A bandeira voltou a ganhar potência em 2013, com a criação do Pravyi Sektor. Não são raras as fotos de integrantes desses grupos com bandeiras nazistas em seu combate contra os separatistas pró-Moscou do leste ucraniano.

Atualmente o partido comanda um braço paramilitar com operações na fronteira da Ucrânia com a Rússia. Na última eleição parlamentar , em 2019, o partido teve 2% dos votos e ficou de fora do Parlamento. Mesmo considerados por muitos como neonazistas, os líderes do Pravyi Sektor negam afiliação com nazismo ou fascismo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.