Política

O que significa a bandeira de origem ucraniana usada em protestos bolsonaristas?

Polícia Militar investiga a presença de símbolo considerado neonazista em protesto na Avenida Paulista, no último domingo

Bandeira de origem ucraniana ligada a partido de extrema-direita aparece em cima de trio elétrico pró-Bolsonaro. Foto: Reprodução.
Bandeira de origem ucraniana ligada a partido de extrema-direita aparece em cima de trio elétrico pró-Bolsonaro. Foto: Reprodução.

A avenida Paulista, em São Paulo, foi palco de intensas manifestações na tarde deste domingo 31. De um lado, torcidas organizadas protestando em defesa da democracia. Do outro, manifestantes defendendo o presidente Jair Bolsonaro. Além de faixas pedindo intervenção militar e o fechamento do Congresso e do STF, os manifestantes bolsonaristas seguravam algo que chamou a atenção de autoridades: uma bandeira de origem ucraniana considerada símbolo neonazista.

A bandeira rubro-negra com um tridente foi exibida em um trio elétrico e empunhada por alguns manifestantes. Segundo o secretário executivo da Polícia Militar de São Paulo (PM-SP), Coronel Camilo, um apoiador de Bolsonaro segurando uma “bandeira neonazista” teria sido um dos causadores do conflito deste domingo, ao se dirigir até o grupo de manifestantes antifascistas para fazer provocações.

Camilo também afirmou ao jornal O Globo que a PM analisará imagens para tentar confirmar a presença destes símbolos na manifestação. “Se forem identificadas pessoas com bandeira neonazistas, como foi falado, pessoas atentando contra a democracia, os responsáveis vão responder por isso”, disse.

Bandeira rubro-negra com tridente da Ucrânia, utilizada por movimento de extrema-direita Pravyi Sektor. Foto: Reprodução

Afinal, qual o significado da bandeira de origem ucraniana?

De acordo a embaixada ucraniana no Brasil, a bandeira rubro-negra simboliza “a nossa terra e o sangue de nossos heróis derramado por Liberdade, Independência e Soberania da Ucrânia”. Em nota, a representação oficial do país europeu no Brasil explicou ainda que a bandeira “foi usada desde o século XVI pelos cossacos ucranianos nas lutas contra invasores estrangeiros”.

No entanto, o significado atual da bandeira vai além: representa o Pravyi Sektor (Setor Direito), organização paramilitar criada em 2013 que virou partido político de extrema-direita na Ucrânia. O grupo incorporou o símbolo usado pelos habitantes da região durante a Idade Média. O tridente, por exemplo, é o brasão oficial do Estado ucraniano com a conversão do país ao Cristianismo pelas mãos do Príncipe Vladimir, no ano 988.

A associação do símbolo com grupos de extrema-direita ficou mais clara a partir da Segunda Guerra Mundial, quando a bandeira virou emblema do Exército Insurgente da Ucrânia, um movimento nacionalista e militar formado em 1941.

O grupo aliou-se com a Alemanha e apoio Hitler até a invasão da Ucrânia por tropas nazistas, dois anos mais tarde. Ao fim dos embates, a bandeira rubro-negra foi usada por tropas ucranianas em lutas contra União Soviética e Polônia. Com a incorporação da Ucrânia à União Soviética, o símbolo perdeu força.

A bandeira voltou a ganhar potência em 2013, com a criação do Pravyi Sektor. Não são raras as fotos de integrantes desses grupos com bandeiras nazistas em seu combate contra os separatistas pró-Moscou do leste ucraniano.

Atualmente o partido comanda um braço paramilitar com operações na fronteira da Ucrânia com a Rússia. Na última eleição parlamentar , em 2019, o partido teve 2% dos votos e ficou de fora do Parlamento. Mesmo considerados por muitos como neonazistas, os líderes do Pravyi Sektor negam afiliação com nazismo ou fascismo.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!