Política

O que pretende João Doria ao se consagrar o líder do PSDB?

Engaiolar o tucanato é o primeiro item do projeto de Doria: concorrer à Presidência em 2022 como representante de um projeto ultraliberal

De aventureiro rejeitado a dono do partido. Bastaram duas eleições – e nenhum mandato completo – para João Doria fincar sua bandeira no PSDB, uma legenda consumida, como a Porto Real da série Game of Thrones, pelo fogo das vaidades e das disputas de poder. Salvo uma reviravolta inesperada, o governador de São Paulo tem tudo para emplacar um aliado na presidência da agremiação, que elege sua nova Executiva Nacional na sexta-feira 31. O candidato único é Bruno Araújo, ex-deputado federal por Pernambuco e afilhado do lobista de profissão que gosta de se apresentar como empresário.

Engaiolar o tucanato é o primeiro item do ambicioso projeto de Doria: concorrer à Presidência da República em 2022 como representante de um projeto ultraliberal sem a disfuncionalidade histriônica e improdutiva de Jair Bolsonaro. Apesar de uma passagem inexpressiva pela prefeitura de São Paulo, da traição aos eleitores da capital (ele havia jurado terminar o mandato) e de obscuros quatro meses e meio no comando do estado (seu único feito até agora foi uma reforma de gosto duvidoso no Palácio dos Bandeirantes), o governador paulista torna-se mais palatável aos donos do dinheiro a cada ação tresloucada de Bolsonaro.

Dois episódios recentes e quase simultâneos traduzem esse sentimento: enquanto o presidente da República, à espera de um prêmio irrelevante, perambulava sozinho por Dallas, no Texas, e batia na porta de George W. Bush sem ser convidado, Doria estrelava um evento da XP Investimentos, corretora ligada ao Banco Itaú, em Nova York, cidade que se recusou a abrigar a homenagem a Bolsonaro. Diante de uma robusta plateia de investidores nacionais e estrangeiros, defendeu as “reformas” e acabou aplaudido de pé.

Candidato único a presidente da legenda, Bruno Araújo é aliado do ex-prefeito. Há quem preveja uma debandada de nomes referenciais da legenda

Embora seja descrito como uma figura neutra, Araújo tende a empurrar o PSDB de vez para um programa neoliberal na economia e reacionário nos costumes, ao gosto do novo líder. O ex-deputado, ministro das Cidades durante o período em que Michel Temer ocupou o Palácio do Planalto, defende, entre outras pautas, a redução da maioridade penal e o porte de armas em áreas rurais. Apesar da inclinação, Araújo nega uma guinada radical nos princípios da legenda: “Não vamos inventar um novo partido. Mas vamos inovar, olhar para a frente, dizer o que tem que ser dito, mesmo que não tenhamos uma maioria na sociedade”.

Ninguém acredita. Muitos tucanos estão de malas prontas para deixar o partido e prenunciam o enterro do que restou dos ideais social-democratas. A debandada, diga-se, não começou agora. Os sucessivos fracassos eleitorais e o envolvimento de suas principais lideranças em escândalos de corrupção levaram nomes como a economista Elena Landau, madrinha das privatizações durante os governos FHC, Eduardo Graeff, assessor próximo do ex-presidente, e o ex-vice-prefeito paulistano Andrea Matarazzo a mudar de ares. Outros formuladores, entre eles Luiz Carlos Mendonça de Barros e Persio Arida, haviam se afastado há tempos.

No horizonte de Doria, o Palácio do Planalto

No último episódio de Game of Thrones, a coroa acabou na cabeça de Bran Stark, jovem paraplégico que passou as oito temporadas da série à margem das lutas sanguinárias pela supremacia nos Sete Reinos. Em certa medida, Doria é o Bran Stark do PSDB. Enquanto José Serra queria decapitar Aécio Neves, este sonhava em queimar o correligionário em óleo fervente, ambos conspiravam para lançar Geraldo Alckmin aos cães e os três não davam a mínima para Fernando Henrique Cardoso, o governador paulista ficou sentado à espera do desenlace. Ou quase. Nas eleições de 2018, Doria, o gestor antipolítica, resolveu protagonizar o jogo com uma típica rasteira de veteranos. Para garantir uma vitória nas urnas que estava ameaçada pelo avanço do pessebista Márcio França, o tucano não titubeou em trair seu mentor, Alckmin, e estimular o voto “Bolsodoria”. Ganhou a disputa no último minuto – e um inimigo para o resto da vida.

O estilo, prevê-se, será outro a partir de 31 de maio. Os próceres do partido tendem a ser eclipsados. “Quem lidera é quem tem a caneta”, resume um analista ligado à legenda. Um novo código de ética em discussão servirá para constranger os filiados envolvidos em corrupção, particularmente Aécio, que resiste à ideia de trocar de agremiação. Como uma das propostas prevê a expulsão de condenados em segunda instância, as normas também afetariam os ex-governadores Marconi Perillo, de Goiás, e Beto Richa, do Paraná, até bem pouco tempo cotados para liderar a renovação do tucanato. O mineiro Eduardo Azeredo, que cumpre pena em decorrência do “mensalão do PSDB”, antecipou-se à votação e anunciou sua desfiliação na segunda-feira 20.

Alckmin, FHC, Aécio e Serra: nada mais que uma foto na parede.

Diluir o “comitê” Serra-Aécio-Alckmin-FHC facilitaria o movimento seguinte, uma fusão com o DEM, antigo PFL, partido de Rodrigo Maia, presidente da Câmara e, no momento, virtual primeiro-ministro do Brasil. Talvez antes, Doria e seus aliados tentem mudar o nome da legenda, maneira de apagar qualquer vestígio das veleidades de centro-esquerda que nutriram a fundação do PSDB em 1988. O governador paulista chegou a sugerir uma pesquisa entre simpatizantes para medir a recepção à proposta. “Se não houver mais compromisso com a social-democracia, que o partido mude de nome e de símbolo. Tucano é quem tem compromisso de honra com as bases do partido. Os outros são meros filiados”, afirma Fernando Guimarães, líder da corrente Esquerda Pra Valer.

Guimarães é um dos tantos filiados dispostos a resistir ao projeto de Doria. Alas ditas moderadas vão tentar equilibrar a composição do comando nacional e impedir o domínio incontestável do neotucanismo. Quem também atrapalha os planos é Bruno Covas, prefeito de São Paulo e neto da maior referência histórica do partido, Mário Covas. De antigos aliados, o prefeito e o governador viraram concorrentes. O último não descarta aliar-se a Joice Hasselmann, a líder do governo Bolsonaro, na disputa pelo comando da capital paulista em 2020. Eventualmente Doria poderia apoiar Andrea Matarazzo, atualmente no PSD de Gilberto Kassab.

Bruno Covas é o herdeiro das tradições?

Bruno Covas almeja a reeleição e esforça-se para recuperar parte das raízes social-democratas plantadas por seu avô e outras lideranças. E faz questão de desfazer medidas equivocadas de Doria. Uma de suas iniciativas mais celebradas é a retomada da política de redução de danos no combate às drogas – Covas ressuscitou, inclusive, o pagamento de bolsas a usuários de crack no programa Recomeço, semelhante ao Braços Abertos do petista Fernando Haddad interrompido por seu ex-parceiro de chapa. Contra a liberdade total da iniciativa privada celebrada por Doria, o prefeito impôs limites ao uso de patinetes elétricos – medida inspirada em outras capitais do planeta. E iniciou um esforço para melhorar a zeladoria da cidade, largada às moscas nos últimos anos. Covas esforça-se, por fim, para fazer um contraponto ao governo Bolsonaro. Mais de uma vez fez questão de frisar não ter votado no ex-capitão.

Os planos de Doria incluem uma eventual mudança de nome do partido e a fusão com o DEM de Rodrigo Maia

O protagonismo de Doria afeta até o capital simbólico do PSDB. Embora os fatos – e a pobreza programática desde o fim dos governos FHC – desmintam, os tucanos construíram, com o beneplácito da mídia, a imagem de um partido de intelectuais. As reuniões de seus próceres em restaurantes badalados de São Paulo insuflaram a imaginação de uma parte da chamada classe média, que via na legenda a representação de seus valores mais caros.

Toda essa mitologia caiu por terra, no compasso da ruína intelectual, moral e econômica do partido e do País. O PSDB de Doria, caso a tendência se confirme na sexta-feira 31, vai se sentir mais confortável em um fast-food de um shopping em Miami. Talvez seja mais um efeito da “nova política”.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!