Política

Operação Lava Jato

Nova denúncia contra Temer evoca personagem citado por Cunha

por Redação — publicado 09/12/2016 15h51, última modificação 09/12/2016 17h54
Em pergunta barrada por Moro, deputado cassado indagou sobre relação de Temer com José Younes, agora citado por delator como intermediário de propina
Zanone Fraissat / Folhapress
Yunes

Assessor especial do gabinete pessoal de Temer, José Yunes é apontado como intermediário de propina para o peemedebista em 2014

O início dos vazamentos das delações premiadas assinadas por executivos da Odebrecht com os investigadores da Operação Lava Jato pode complicar o governo de Michel Temer. E o primeiro alvo é José Yunes, assessor especial do gabinete pessoal de Temer, agora apontado como intermediário de propina para o peemedebista na campanha eleitoral de 2014. 

De acordo com reportagem do site Buzzfeed publicada no início da tarde desta sexta-feira 9, Cláudio Melo Filho, ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht, narrou ter enviado um emissário para entregar dinheiro vivo no escritório Yunes em São Paulo em 2014.

O dinheiro seria parte, ainda segundo o site, de um total de 10 milhões de reais acertados entre Temer e Marcelo Odebrecht, o dono da construtura, em um jantar realizado em maio no Palácio do Jaburu, residência oficial da vice-presidência. 

Esse montante de 10 milhões, afirma o Buzzfeed, deveria ser dividido em duas partes: 6 milhões de reais para o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, então candidato a governador de São Paulo, e 4 milhões para Eliseu Padilha, atual ministro-chefe da Casa Civil, que distribuiria o valor para outros candidatos do PMDB.

Não constam na reportagem o exato valor que teria sido entregue no escritório de Yunes nem quem teria recebido.

A denúncia evoca a relação de Temer com o advogado, que já se autodenominou "psicoterapeuta político" do presidente e é seu amigo há décadas. No fim de novembro, a conexão foi trazida à tona pelo deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Réu na 13ª Vara Federal de Curitiba, na qual tramita a Lava Jato em primeira instância, Cunha arrolou Temer como testemunha e apresentou uma lista de 41 perguntas a serem feitas para Temer. O juiz Sergio Moro barrou, entretanto, 21 dessas questões, incluindo as três que citavam Yunes.

Nos questionamentos, Cunha perguntava sobre qual era a relação de Temer com Yunes e se o presidente "recebeu alguma contribuição de campanha para alguma eleição de Vossa Excelência ou do PMDB". Na terceira pergunta, Cunha levantava a possibilidade de caixa dois ou propina ao indagar se as contribuições "foram realizadas de forma oficial ou não declarada".

Na ocasião, Moro considerou as 21 perguntas excluídas como inapropriadas ou sem pertinência com o objeto da ação penal. Para o mundo político, a simples apresentação das perguntas por parte da defesa de Cunha foi uma sinalização do deputado cassado a respeito do potencial explosivo que uma delação premiada por parte dele poderia ter. 

De acordo com o Buzzfeed, Yunes negou as acusações e afirmou que as alegações são "absurdas e completamente inverídicas". A Odebrecht não comentou o caso.