‘Ninguém vai votar nada com o estômago’, diz Aziz, sobre relatório da CPI

Presidente da Comissão disse que é 'deselegante' por parte de Renan Calheiros vazar informações sobre o documento

O presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM).
(Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)

O presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM). (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)

Política

O presidente da CPI da Covid, Omar Aziz (PSD-AM), criticou as declarações do relator, Renan Calheiros (MDB-AL), sobre suas conclusões no relatório final.

“Eu acho deselegante estar vazando, acho que faltou respeito, pelo menos ao G7 (ala majoritária da comissão que une oposicionistas e independentes). Então, não é legal”, disse ao Estadão.

 

 

Aziz também afirmou que discorda de parte do conteúdo que tem sido divulgado pelo relator à imprensa.

“Eu não acho que tenha genocídio, tem que se provar isso. E eu não tô aqui para fazer cavalo de batalha em relatório não. A gente vai votar aquilo que é correto. Ninguém vai votar absolutamente nada com estômago aqui”, disse. “Não presidi uma CPI seis meses para chegar o relatório e achar que o fígado vai me vencer.”

Aziz declarou que não existe um consenso ou uma articulação entre os senadores em torno do relatório. “Não conversei com Renan sobre relatório nenhum. Aliás, ele não conversou com ninguém dos senadores. Nenhum desses crimes, eu não sei. Ele vai ter de dizer por quê.”

 

Paralelo

Suplente na CPI, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) se antecipou e divulgou ontem um relatório paralelo. No parecer, o parlamentar sugeriu o indiciamento de 17 investigados, incluindo Bolsonaro, mas não seus filhos.

“Ser um babaca não é crime. Falar coisas estúpidas, em regra, também não. Mas fazer gestão pública baseada em coisas estúpidas é crime”, disse. “As condutas referentes à desinformação serão melhor apuradas na CPMI das Fake News e no inquérito do STF. O foco da CPI deve ser a pandemia, especialmente as mortes evitáveis que a política criminosa de Bolsonaro causou.”

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem