“Ninguém está pensando em relaxar o isolamento”, diz Nelson Teich

Discurso se opõe aos planos do presidente Jair Bolsonaro em dar fim ao isolamento no país

O ministro da Saúde, Nelson Teich. Foto: José Dias/PR

O ministro da Saúde, Nelson Teich. Foto: José Dias/PR

Política,Saúde

O ministro da Saúde, Nelson Teich, afirmou nesta quinta-feira 30 que não cogita recomendar o relaxamento do isolamento nos estados e municípios. Na próxima semana, ele prevê a apresentação de novas diretrizes para orientar os governadores e prefeitos sobre medidas de combate ao novo coronavírus.

“Ninguém está pensando em relaxar o isolamento, a gente está criando uma diretriz”, disse. Segundo ele, em algum momento a flexibilização será necessária, mas esta abordagem não será feita de forma superficial.

Segundo Teich, os governadores e prefeitos terão autonomia para decidir sobre o relaxamento do isolamento social, com base na situação de suas regiões.

O secretário Denizar Vianna também reforçou que o isolamento social é a melhor forma de prevenção ao coronavírus, já que ainda não existe uma vacina contra a doença.

No dia anterior, em audiência pública no Senado Federal, Teich já havia reiterado que o Ministério da Saúde “nunca mudou a orientação oficial de distanciamento social”.

A posição de Teich se opõe frontalmente à bandeira levantada pelo presidente Jair Bolsonaro, em favor do fim do isolamento social. Em repetidas vezes, o Palácio do Planalto pediu a reabertura do comércio e a volta à normalidade.

Na terça-feira 28, Bolsonaro afirmou que lamenta as mortes por covid-19 no Brasil, mas não pode fazer nada. De acordo com o último balanço do Ministério da Saúde, o país contabiliza 5.901 óbitos e mais de 85 mil infecções.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem