Não temos o que comemorar, diz Omar Aziz sobre Copa América no Brasil

Presidente da CPI da Covid afirmou que sediar o torneio de futebol não tem lógica

Foto:  Edilson Rodrigues/Agência Senado

Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Política

Na abertura dos trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, nesta terça-feira 1, o senador Humberto Costa (PT-CE) questionou a realização da Copa América no Brasil.

O parlamentar afirmou que entrou com pedido no Supremo Tribunal Federal (STF) para que o evento não seja realizado no País. O presidente colegiado, senador Omar Aziz (PSD-AM), que na segunda-feira 31 tinha se colocado a favor da realização do evento, voltou atrás e concordou com a posição de Costa.

 

Aziz havia informado na segunda, em entrevista a CNN, poucos momentos após o anúncio da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) de que o campeonato seria realizado no Brasil que não via “grandes problemas” na realização do evento, já que o País já tem realizado campeonatos estaduais. Hoje o senador voltou atrás e disse que após raciocinar, é “sem lógica” realizar o evento internacional. “Não temos o que comemorar”, afirmou o parlamentar.

A Conmebol confirmou ontem, por meio de suas redes sociais, que a Copa América deste ano será realizada no Brasil. O evento, de 13 de junho a 10 de julho, estava marcado para a Argentina, mas o país foi previamente vetado por causa do aumento dos casos locais de covid-19. No comunicado, a Conmebol agradeceu ao presidente Jair Bolsonaro por acolher e “abrir as portas do País” para o torneio.

O senador Otto Alencar (PSD-BA), também reforçou o coro de críticas à realização do evento no País, devido ao cenário epidemiológico do Brasil. O senador defendeu que o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, deveria ser reconvocado à CPI para explicar a decisão a favor da realização do evento esportivo no Brasil.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem