“Não se pode dispersar manifestações por vontade política”

Política

Há quase um século, o Supremo Tribunal Federal (STF) definiu que a polícia não poderia impedir ou determinar o local de reunião para manifestações. O caso aconteceu em 1919, quando o então chefe de polícia da Bahia proibiu, por meio de telegrama, um comício em favor do senador Epitácio Pessoa. Neste caso específico, a conduta policial foi decisiva para que o Supremo determinasse que a polícia não poderia “determinar que só em certos lugares é que eles (os protestos) se podem efetuar”. 

Na semana em que Dilma Rousseff foi deposta pelo Senado, uma sequência de manifestações contrárias a Michel Temer aconteceram em São Paulo, sempre pontuadas por discussões sobre o trajeto que os atos deveriam seguir, seguidas de muita repressão policial, que acabavam por inviabilizar os protestos, além de ferir manifestantes. 

“Se a manifestação tem fins lícitos e é sem armas, ou seja, é pacífica, não há motivo constitucional para que haja a possibilidade de restrição”, afirma o professor de Direito Constitucional da FGV-SP Roberto Dias.

Mesmo os casos isolados de vandalismo ou violência não seriam suficientes para justificar a atuação da Polícia Militar no sentido de acabar com os atos. “A reação equivocada e desproporcional da polícia mostra que há uma resistência por parte do governo a essas manifestações democraticamente exercidas”. 

CartaCapital: A primeira manifestação do Supremo Tribunal Federal sobre o direito de reunião foi em 1919, quando decidiu-se que a polícia não poderia proibir ou determinar o local de reunião dos manifestantes. Em São Paulo, a Secretaria de Segurança Pública chegou a proibir a manifestação Fora Temer marcada para domingo 4 por conta da passagem da tocha paralímpica no mesmo local e horário. Depois, chegou-se a um entendimento e a manifestação ocorreu. Afinal, do ponto de vista jurídico, a PM pode proibir ou determinar um trajeto?

Roberto Dias: A meu ver, a policia não pode determinar o trajeto. Mesmo porque, ao se fazer uma manifestação, o manifestante não pede qualquer autorização para o poder público, apenas comunica, essa é a previsão que a Constituição faz. Ele comunica que fará a manifestação e o poder publico então toma as medidas para viabilizar que esse direito seja exercido de forma plena – e não o contrário. O poder público não atua de modo a impedir que as manifestações possam acontecer.

CC: Durante a semana do impeachment houve outras manifestações na avenida Paulista em que se seguiu basicamente o mesmo roteiro: quando a manifestação ia sair, questionava-se o trajeto e cercava-se o ato de modo a impedir sua saída. Isso entra em confronto com o que o senhor acabou de falar?

RD: Sem dúvidas. Qualquer medida no sentido de inviabilizar o exercício desse direito de reunião é inconstitucional. Na verdade, a primeira decisão do STF a esse respeito é de 1919, ou seja, estamos falando de coisa de 100 anos atrás, em que o Supremo fala que a PM não pode determinar que só em certos lugares podem acontecer protestos, desde que eles sejam convocados para fins lícitos.

Se a manifestação tem fins lícitos e é sem armas, ou seja, é pacífica, não há motivo constitucional para que haja a possibilidade de restrição. Alguém poderia dizer que isso pode incomodar as pessoas, fazer com que a manifestação cause muitos transtornos. Na verdade, até o STF, de modo acertado, diz que as manifestações se dão justamente para causar transtorno, ou seja, para que aquela voz que quer se manifestar seja ouvida de forma mais clara e intensa. O protesto é uma forma de intensificar o direito de manifestação.

O STF falou isso em 1999, quando houve uma decisão do então governador do Distrito Federal, Joaquim Roriz, que por decreto determinava a impossibilidade de manifestação na Praça dos Três Poderes, em Brasília. O Supremo julgou o decreto inconstitucional, porque a determinação dos locais onde se pode fazer uma manifestação é algo inconstitucional.

CC: Em 2011, O STF também julgou legal a Marcha da Maconha.

RD: Em 2011 era o mesmo tema, mas com um viés diferente. Nesse caso específico, a questão central era que parte do Judiciário e do Ministério Público e da polícia diziam que manifestações sobre a legalização do consumo de maconha era uma apologia ao crime e, portanto, não poderia acontecer.

E o STF falou que a possibilidade das pessoas se reunirem para combater ou para pedir a mudança de uma lei é mais do que legítimo, é autorizado constitucionalmente. Sob pena de você engessar as normas: se você não pode sequer discutir se aborto é crime e não deveria ser, se consumo de droga é crime e não deveria ser etc, você perpetua esse tipo de norma sem qualquer debate democrático.

CC: No artigo “O Estado e as passeatas”, o senhor afirma que as respostas aos questionamentos sobre se a polícia pode controlar ou limitar os protestos e se os manifestantes precisam informar a trajetória do ato “desenha a qualidade do direito e da democracia que temos”. Diante dos fatos de domingo 4, qual é a qualidade da democracia e dos direitos humanos em São Paulo?

RD: Na verdade, essa onda de manifestações que tem se intensificado desde 2013 mostra uma vitalidade democrática, por um lado. Porque não tenha dúvidas que é uma forma de exercício legítimo da democracia. Agora, a reação equivocada e desproporcional da polícia mostra que há uma resistência por parte do governo a essas manifestações democraticamente exercidas.

Se acontecem atos isolados de vandalismo ou atos isolados de violência, isso não é suficiente para autorizar que o poder público, especialmente a polícia, desfaça a manifestação. Mas, sim, autorizaria que aquelas pessoas, isoladamente, fossem contidas e levadas para as autoridades competentes.

Então, se a manifestação é pacífica, como a de ontem e como muitas outras que tiveram até mesmo intenções políticas opostas, pacíficas e feitas sem armas, não há razão para que o poder público as impeça.

Eventuais atos de violência que aconteçam devem ser reprimidos pontualmente, ou seja, aquela pessoa especificamente pode ser retirada da manifestação, assim como se ela estivesse armada. O que não pode é dispersar a manifestação simplesmente por uma vontade política do governo ou em razão de um ou outro manifestante ter agido de forma violenta.

CC: Diversos vídeos e fotos divulgados por jornalistas e manifestantes na última semana de protestos em SP mostram policiais atropelando deliberadamente manifestantes, jogando spray de pimenta em frequentadores bares na região do Largo da Batata e outras cenas de terror na dispersão do ato. Como o senhor analisa a resposta institucional da PM e da Secretaria de Segurança Pública diante dessas violações? E a atuação do Ministério Público, que teria a função de fiscalizar a PM, há omissão?

RD: Aqui temos dois pontos. O primeiro deles é efetivamente uma atuação inconstitucional da polícia e da Secretaria de Segurança Pública ao agir de modo violento para dispersar as manifestações legitimamente convocadas e que estão sendo exercidas nos limites da Constituição, ou seja, pacificamente e sem armas. Mostra um efetivo equivoco do ponto de vista do exercício da democracia garantido constitucionalmente parte dessas instituições.

Outra coisa é o poder de controle e de fiscalização e de até de iniciar procedimentos de contenção dessa atitude abusiva da polícia, que é função do Ministério Público. Pelo menos nós não temos notícias de que isso tenha acontecido com a ênfase que deveria acontecer tendo em vista a magnitude dos atos praticados pela polícia.

CC: Diante da falta de ênfase do Ministério Público, o que pode ser feito? Que tipo de mecanismo de pressão e de controle a população teria sobre essa questão?

RD: Há um controle político de novo, ou seja, manifestações legítimas cobrando a atuação do MP nos termos do que determina a lei e a Constituição, ou seja, do controle dos atos e dos abusos praticados pela polícia. E, eventualmente, representações relatando esses fatos e pedindo formalmente para que o MP atue para coibir e reprimir esse tipo de atitude abusiva.

CC: Como o senhor avalia a atuação da polícia nas últimas manifestações contrárias a Michel Temer? Há diferenças com relação às manifestações pró-impeachment, em que não houve repressão?

RD: Eu reafirmo o que eu disse para você: as manifestações servem para incomodar, o próprio STF reconhece esta característica, e elas independem de qual posição politica está se defendendo na manifestação. A atuação da polícia deveria ser absolutamente igual se a manifestação é a favor ou contra determinado ato politico, situação econômica ou determinada política pública, ou seja, independe do viés político do ato a atuação da PM.

A polícia deveria praticar dois atos: um é omissivo, ou seja, não impedir que a manifestação aconteça. Isto é, ela deveria se quedar inerte e não interferir na manifestação. O outro deveria ser atuar para simplesmente controlar o trânsito, informar a população e dizer quais são os caminhos mais adequados para aquelas pessoas que querem se locomover – sem que isso frustre a manifestação.

CC: Na sua avaliação, há uma politização da polícia e da Secretaria de Segurança Publica? Qual é o risco dessa politização neste momento de turbulência e polarização?

RD: Na verdade, nesse caso específico das manifestações, de novo, a polícia deveria agir simplesmente para que as manifestações acontecessem de forma legítima e democrática. Qualquer atitude fora desses padrões deveria ser rechaçada por todos, pela sociedade civil, pelo poder público, por todas as pessoas, porque isso seria simplesmente inconstitucional.

Não me parece que o caminho mais adequado do ponto de vista democrático é que a polícia aja de forma diferente dependendo do tipo de manifestação que se tem. Se é a favor do impeachment é de um jeito, se é contra é de outro, se é contra o atual governo é de um jeito, se é a favor é de outro – isso não deveria ter qualquer relevância do ponto de vista da atuação da polícia. São manifestações legítimas, tanto de um lado, quanto de outro.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem