Política

“Não quero submeter meu filho a um fracasso”, diz Bolsonaro

Presidente dá sinais que pode rever nomeação de Eduardo Bolsonaro para a embaixada nos Estados Unidos

(Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil)
(Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil)
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta terça-feira 20, que não quer submeter Eduardo Bolsonaro “a um fracasso” em relação à indicação do filho à embaixada brasileira em Washington, que tem que ser aprovada pela maioria do Senado. “Eu acho que ele tem competência. Mas tudo pode acontecer”, disse o presidente ao sair do Palácio da Alvorada nesta manhã.

“Se o Senado quiser rejeitar o nome de Eduardo, é direito dele”, acrescentou, após comentar que considera a visão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a possibilidade da nomeação ser encarada como nepotismo ou não. “O que vale para mim é a súmula do Supremo que diz que não é nepotismo”, afirmou o presidente.

O ministro do STF, Ricardo Lewandowski, rejeitou na quarta-feira 14 a ação do partido Cidadania na Suprema Corte que acusava a indicação como favorecimento de um membro familiar.

Eduardo Bolsonaro, que é deputado estadual pelo PSL (Partido Social Liberal), já teve seu nome apresentado pelo Ministério das Relações Exteriores ao presidente norte-americano Donald Trump, que aprovou a indicação. No Brasil, porém, o cenário não é fácil ao filho mais novo do presidente.

Para assumir o cargo, Eduardo Bolsonaro terá que passar por uma sabatina na Comissão de Relações Exteriores no Senado Federal, e por uma votação dos parlamentares no Plenário. É preciso ter maioria simples, ou seja, 41 favoráveis, dos 81 senadores da Casa.

Uma proposta de emenda à Constituição (PEC), protocolada no dia 06 de agosto no Senado Federal, veda a nomeação de parentes até o terceiro grau para cargos “de confiança” da administração pública. Quase metade dos senadores assinaram o projeto,  o que sinaliza um contexto negativo para a indicação do deputado.

Entre a população, também há visão negativa sobre a indicação. Uma pesquisa feita pela XP Investimentos afirmou que 62% dos entrevistados eram contrários à Eduardo em Washington, 29% eram favoráveis e 6% colocaram-se como indiferentes. Outros 4% não responderam.

Giovanna Galvani

Giovanna Galvani
É repórter do site de CartaCapital.

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.