“Não nasci para ser presidente, e sim militar”, diz Bolsonaro

A fala se deve ao fato de Bolsonaro perder popularidade e ser o presidente que teve a menor aprovação para um primeiro mandato desde 1995

(Foto: Agência Brasil)

(Foto: Agência Brasil)

Política

O presidente Jair Bolsonaro, em mais uma polêmica, afirmou nesta sexta-feira 5 que não nasceu para ser presidente, e sim militar. “Desculpem as caneladas”, disse em discurso no Palácio do Planalto para inauguração do Espaço de Atendimento de Ouvidoria da Presidência da República.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, o presidente questionou a quantidade de problemas do seu cargo: “Às vezes me pergunto, meu Deus, o que fiz para merecer isso? É só problema.”

A fala se deve ao fato de Bolsonaro perder popularidade e ser o presidente que teve a menor aprovação para um primeiro mandato desde 1995. Duas pesquisas foram divulgadas nesta sexta e indicam essa queda do presidente.

O primeiro semestre de um presidente que entrou no cargo pela primeira vez é sempre considerado a “lua de mel”, fase em que os deslizes são perdoados e os defeitos relevados pela maior parte dos eleitores. Foi assim com FHC, Lula e Dilma, mas não com Bolsonaro.

Ao se negar fazer a “velha política”, o pesselista perdeu força no Congresso e a reforma da previdência- seu principal projeto – corre risco de não ser aprovada.  Mais cedo, em um café com jornalistas, Bolsonaro disse que o governo vai costurar apoio por projetos na Câmara e no Senado, sem toma lá, dá cá. A tarde ele se encontrou com lideranças de partidos para tentar criar uma base política sólida, mas não deixou claro como isso vai acontecer.

E essa não foi a única polêmica do dia. O presidente também contou aos jornalistas que acabaria com o horário de verão. Segundo ele, o assunto já foi discutido com o ministro de Minas e Energia. A promessa provocou uma onda de repercussão nas redes sociais, e vem dividindo opiniões. A hashtag #Horáriodeverão é um dos assuntos mais comentados no Twitter.

 

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem