Política

Memória

"Não cabe à Fiesp falar de renúncia", diz Skaf, líder de atos anti-Dilma

por Redação — publicado 27/06/2017 11h12, última modificação 27/06/2017 12h45
A autointitulada "casa do impeachment de Dilma", que ofereceu filé mignon aos antipetistas, agora diz desejar "discutir economia e não política"
Rovena Rosa / Agência Brasil
Fiesp

Ato contra Dilma em 26 de março: o pato gigante era a estrela do movimento

Nos 17 meses entre a posse para seu segundo mandato e o afastamento determinado pelo Senado, a ex-presidenta Dilma Rousseff enfrentou pressões de diversos pontos da sociedade brasileira. Um dos mais evidentes foi o dos chamados agentes econômicos, grupo no qual se destacou o presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf.

Filiado ao PMDB e candidato pelo partido ao governo de São Paulo, em 2014, Skaf se engajou pessoalmente na batalha pelo afastamento de Dilma e colocou o peso, e o dinheiro da entidade, na campanha.

Em 12 de dezembro de 2015, Skaf anunciou apoio da Fiesp ao processo de impeachment de Dilma. "É importante que se diga que estar a favor do processo de impeachment não é nenhum julgamento ou pré-julgamento. É estar a favor do andamento do processo de impeachment. Cabe ao Congresso Nacional julgar", afirmou ele.

A mais notória participação da Fiesp naquele período foi a campanha "Chega de pagar o pato", uma referência à possibilidade de impostos serem aumentados para contornar a crise econômica.

Paulo Skaf
Skaf em Brasília ao lançar milhares de patos amarelos no espelho d'água do Congresso (Foto: Lucio Bernardo Jr. / Câmara dos Deputados)

Um pato amarelo de 12 metros de altura confeccionado pela Fiesp foi exibido diuturnamente no prédio da entidade, na Avenida Paulista. Bonecos menores do pato fizeram uma "turnê" pelo País e foram exibidos em capitais, como Belo Horizonte, durante protestos contra Dilma.

Em janeiro de 2015, o pato gigante esteve em Brasília e milhares de mini-patos foram lançados no espelho d'água do Congresso Nacional. Em abril de 2016, o pato gigante da capital federal chegou a ser "esfaqueado" por um militante pró-Dilma.

A campanha foi exibida em veículos de imprensa de todo o País e a Fiesp, que em parte é sustentada com dinheiro público, jamais revelou quando gastou nos anúncios. 

O prédio da entidade na Avenida Paulista também se tornou ponto de encontro dos manifestantes anti-Dilma. Por seis meses entre março e setembro de 2016, um pequeno grupo pró-impeachment acampou em frente ao local e jamais foi incomodado pelos seguranças da Fiesp. 

Em 16 de março de 2016, o famoso edifício exibiu as cores da bandeira do Brasil e uma faixa preta com a inscrição "renúncia já". No mesmo dia, Skaf pediu pessoalmente a renúncia, em frase que está registrada no site da entidade. “Pelo bem do Brasil, Dilma deve renunciar já!”, afirmou ele.

Fiesp renúncia
"Renuncia já": a Fiesp fez campanha contra Dilma (Foto: Reprodução / TV Globo)

No dia seguinte, 17 de março, a Fiesp ofereceu um almoço com filé mignon, massa, salada, torta, purê e arroz aos líderes da campanha anti-Dilma. Ao jornal Valor Econômico, a assessoria de imprensa da entidade celebrou o fato de a Fiesp ter virado "a casa do impeachment de Dilma”.

Memória

Nesta quinta-feira 26, Skaf aparentemente esqueceu a campanha que liderou. No dia em que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciou Michel Temer por corrupção, Skaf decidiu poupar o colega de PMDB. "Não cabe à Fiesp falar sobre renúncia de Presidente da República, mas defender a retomada do crescimento do País", disse Skaf ao jornal O Estado de S.Paulo.

Fiesp
Em 2016, um 'card' divulgado pela Fiesp destacava o pedido de renúncia feito por Skaf


Questionado sobre a contradição entre sua postura com Dilma e com Temer, Skaf disse se tratarem de situações diferentes. "No caso da Dilma era uma situação diferente. Ela havia perdido completamente o controle do País. Vivemos dois anos seguidos de crescimento negativo de 3,8%, tanto que acumulou mais de 13 milhões de desempregados", afirmou.

Para Skaf, sob Temer houve "controle inflacionário". Ainda segundo ele, "cabe à Fiesp discutir economia, não política".

Justiça

Em meio às investigações da Operação Lava Jato, o nome de Skaf também surgiu. Ele é investigado em um inquérito derivado da delação de Marcelo Odebrecht, herdeiro da empreiteira. Segundo Odebrecht, a pedido de Benjamin Steinbruch, presidente da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), a construtora repassou 2,5 milhões de reais à campanha de Skaf ao governo de São Paulo, em 2014. O dinheiro teria sido pago pelo "departamento de propina" da Odebrecht.

O caso estava com o juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, mas no último dia 22 o ministro Edson Fachin, do STF, remeteu os autos à Justiça Federal de São Paulo, como solicitado pela defesa de Skaf.