Economia

Não adianta trocar o presidente da Petrobras sem alterar a política de preços, diz FUP

A Federação Única dos Petroleiros critica o alinhamento dos preços de combustíveis ao mercado internacional: ‘Política nefasta’

Roberto Castello Branco, demitido da presidência da Petrobras. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Roberto Castello Branco, demitido da presidência da Petrobras. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

A demissão de Roberto Castello Branco da presidência da Petrobras pode não solucionar a alta nos preços dos combustíveis, segundo a Federação Única dos Petroleiros. Para a entidade, a prioridade do governo federal deveria ser a intervenção na política de preços.

“De nada adianta a mudança na cadeira, se não houver mudança da política de preços desastrosa”, afirmou o coordenador geral da FUP, Deyvid Bacelar, em nota publicada nesta sexta-feira 19.

A organização se refere à política de Preço de Paridade de Importação, vigente desde o governo de Michel Temer (MDB), que alinhou os preços dos combustíveis ao mercado internacional. Para a entidade, a conduta é “nefasta”, porque promove reajustes com base no preço internacional do petróleo e na cotação do dólar, o que resulta, de acordo com a FUP, em combustíveis caros, fretes e alimentos em alta e aumento da inflação.

“A saída de Castello Branco é a oportunidade de a Petrobras reforçar sua posição integrada e verticalizada, do poço ao posto, como são as grandes petroleiras do mundo, fortalecendo suas operações nos diversos segmentos da cadeia de petróleo, gás natural e energia”, afirma a FUP.

A entidade diz que, em vez de investir na autossuficiência da Petrobras em todas as etapas do negócio, o governo tem realizado “venda de ativos importantes” para a petroleira, como na área de transporte, distribuição, termelétricas e usinas. O mais recente “desastre”, destaca, é a venda da refinaria Landulpho Alves pela metade do preço.

“A gestão Castello Branco transformava a Petrobras numa mera produtora e exportadora de petróleo, reduzindo seu valor no longo prazo e seu papel na economia nacional”, diz a Federação.

Para o comando da estatal foi nomeado o general Joaquim Silva e Luna, conforme nota divulgada pela gestão federal. A decisão ocorreu após a estatal aumentar o preço da gasolina pela quarta vez neste ano. Já o preço do diesel, principal impasse com os caminhoneiros, teve o terceiro reajuste.

Victor Ohana

Victor Ohana
Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.