Mundo

Na ONU, Xi Jinping diz que ajudará países na transição para economia de baixo carbono

‘Temos de revitalizar a economia e criar desenvolvimento mais sustentável’, afirmou o presidente chinês na Assembleia-Geral

Xi Jinping em discurso na ONU. Foto: Reprodução
Xi Jinping em discurso na ONU. Foto: Reprodução

O presidente da China, Xi Jinping, afirmou na Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas que seu país irá ajudar outras nações em desenvolvimento a buscar a transição para a economia de baixo carbono, destacando o objetivo chinês de zerar as emissões até 2060. Entre as contribuições, Xi citou a suspensão de dívidas de países em desenvolvimento.

“Temos de revitalizar a economia e criar desenvolvimento mais sustentável”, afirmou o presidente chinês, indicando a necessidade de um sistema “mais balanceado” e destacando como meta a intenção do país de não construir mais usinas de carvão no exterior. Segundo Xi, o país fará “de tudo” para alcançar suas metas climáticas.

Mas, “antes, precisamos vencer a Covid-19, o que será fundamental para humanidade”, afirmou o líder, reforçando a necessidade da cooperação internacional na resposta à pandemia. Segundo Xi, é preciso seguir a ciência e o acesso equitativo às vacinas. Neste cenário, o chinês destacou a entrega de 2 bilhões de doses de vacinas contra a Covid-19 pela China em 2021 e mencionou a doação de 100 milhões de doses a países com menos renda ao longo deste ano.

Sem citar nomes, Xi fez uma série de considerações sobre a ordem internacional. Segundo o chinês, a “intervenção militar de países estrangeiros mostrou recentemente seus problemas” e as “diferenças entre nações devem ser resolvidas por meio do diálogo”. O líder defendeu ainda um “novo sistema internacional baseado no respeito mútuo” e a cooperação com a ONU foi descrita algumas vezes como uma possibilidade de tal desenvolvimento.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!