Movimento Gay quer tirar Bíblia de circulação no Brasil, diz Damares

Em 2014, a atual ministra disse que gays tentariam banir o livro por conter palavras supostamente homofóbicas, caso lei fosse aprovada

Política

A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, acredita que o movimento gay no Brasil tem um plano para banir do país e tirar de circulação a Bíblia Sagrada. De acordo com o que diz a ministra em vídeo gravado em 2014, há uma estratégia definida e bem montada para que o livro fundador da fé cristã passe a ter sua venda proibida no Brasil. “Eu não estou exagerando! O movimento gay é articulado e sabe influenciar”, garante a ministra.

A teoria de Damares está toda explicada em um vídeo de quase 20 minutos, que pode ser visto clicando aqui. No topo desta página, há um resumo de cerca de um minuto.

Em síntese, segundo a ministra, o plano do movimento gay é aprovar um projeto de lei que tramita na Câmara dos Deputados e que prevê a retirada de circulação de todo e qualquer livro que contenha ideias e termos homofóbicos. Acontece que, de acordo com a ministra, os gays já estão se articulando e dizendo por aí que duas das palavras mais ofensivas e homofóbicas em língua portuguesa são sodomitas e efeminados.

“Aonde estão essas palavras? Na Bíblia Sagrada!”, alerta a ministra. “Eles (os gays) com certeza vão tentar recolher a Bíblia no Brasil!”

“Feministas são feias! Nós somos lindas!”

Afeita a frases polêmicas, Damares ganhou as páginas de jornais na última segunda-feira 14 por ter dito, em outro vídeo, que mulheres feministas são feias e têm inveja das que não são, pois as que não são feministas são lindas. “Sabem por que elas (feministas) não gostam de homem? Porque são feias, e nós somos lindas”.

Leia também: Damares Alves é fundadora de ONG acusada de tráfico de crianças

Então, tá.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editor-executivo do site CartaCapital.com.br

Compartilhar postagem