Moro será o próximo ministro do STF, promete Bolsonaro

Presidente cravou a indicação do ex-juiz para uma cadeira no Supremo Tribunal Federal; decano Celso de Mello se aposenta em 2020

Moro será o próximo ministro do STF, promete Bolsonaro

Política

O ex-juiz Sergio Moro tem grandes chances de voltar à magistratura por um caminho diferente. Em entrevista à Rádio Bandeirantes, neste domingo 12, o presidente Jair Bolsonaro cravou a indicação do ministro para uma cadeira no Supremo Tribunal Federal.

“Eu fiz um compromisso com ele, ele abriu mão de 22 anos de magistratura. A primeira vaga que tiver lá [no STF], estará à disposição”, disse. Caso a promessa se confirme, Moro deve ocupar a vaga do decano Celso de Mello, cujo prazo para aposentadoria compulsória vence em novembro de 2020. Uma segunda vaga ficará vazia em 2021, caso o ministro Ricardo Lewandowski se aposente.

 

“A primeira vaga que tiver eu tenho esse compromisso e, se Deus quiser, nós cumpriremos esse compromisso. O Brasil inteiro vai aplaudir”, completou o presidente.

Sérgio Moro trocou a carreira no Judiciário para assumir um ‘superministério’ que engloba Justiça, Segurança Pública. O anúncio foi feito em novembro, pouco depois da vitória de Bolsonaro. Como ministro, Moro teve alguns pedidos atendidos, como o controle do Coaf, antes vinculado ao Ministério da Fazenda (atual Ministério da Economia), e o direito de nomear o chefe da Polícia Federal. O Coaf, entretanto, deve voltar ao ministério de origem depois o parecer de uma comissão mista do Congresso.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem