Política

Moro embolsou R$ 200 mil por parecer contra a Vale em disputa com magnata israelense

O ex-juiz e ex-ministro de Jair Bolsonaro emitiu o documento cerca de um mês antes de entrar na Alvarez & Marsal, dos Estados Unidos

Sergio Moro. Foto: Isaac Amorim/Ministério da Justiça e Segurança Pública
Sergio Moro. Foto: Isaac Amorim/Ministério da Justiça e Segurança Pública
Apoie Siga-nos no

O pré-candidato à Presidência pelo Podemos, Sergio Moro, embolsou cerca de 200 mil reais por um parecer de 54 páginas que produziu para o magnata israelense Beny Steinmetz, no âmbito de um processo judicial contra a Vale. A informação é do jornal Folha de S.Paulo.

Beny tenta provar que a Vale sabia dos riscos do contrato de exploração da mina em Simandou, na República da Guiné, quando fechou o negócio com sua empresa, em 2010. O israelense reuniu um rol de supostas evidências na tentativa de demonstrar que a mineradora teria mentido ao Tribunal Arbitral em Londres, onde conseguiu uma sentença favorável de 2 bilhões de dólares contra o empresário.

O parecer de Moro, emitido em novembro de 2020 em papel timbrado do escritório Wolff Moro Sociedade de Advocacia, menciona que, “caso a investigação confirme os fatos apresentados pelo Consulente e não sejam apresentadas escusas idôneas pelos investigados, os executivos da Vale S/A teriam, em tese, prestado afirmações falsas e ocultado fraudulentamente do mercado e de seus acionistas as reais condições do negócio celebrado com a BSGR acerca dos direitos de exploração sobre Simandou e sobre os motivos da rescisão posterior”.

O empresário israelense já foi alvo de investigação por corrupção e lavagem de dinheiro em Israel, Suíça, Estados Unidos e na própria Guiné. Chegou a ser preso provisoriamente e nega até hoje as acusações.

No mês seguinte à redação, Moro foi contratado pela consultoria norte-americana Alvarez & Marsal, administradora judicial do processo de recuperação do Grupo Odebrecht – empresa alvo do então juiz Moro durante a Lava Jato. A empresa recebeu no mínimo 42,5 milhões de reais de companhias investigadas pela operação.

Em abril de 2021 – cinco meses após o parecer – a Vale informou que o Ministério Público Federal decidiu arquivar o caso. As investigações, porém, prosseguem no Rio de Janeiro, estado em que Beny protocolou notícia-crime contra a mineradora.

À Folha de S.Paulo, Moro preferiu não se manifestar nesta quinta 27. A Vale, por sua vez, alegou que o magnata israelense “tem criado versões falaciosas e feito afirmações inverídicas contra a Vale em relação ao caso de Simandou, em uma clara tentativa de inverter o papel de vítima e tentar se furtar de suas responsabilidades pela prática de ilícitos”.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.