Política

Moraes rejeita pedido de Bolsonaro para investigar suposta irregularidade em rádios

O presidente do TSE ainda pediu que o MPF apure possível ‘crime eleitoral com a finalidade de tumultuar o segundo turno do pleito’

Alexandre de Moraes arca agora com seu indispensável papel - Imagem: Marcelo Camargo/ABR
Apoie Siga-nos no

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Alexandre de Moraes, negou nesta quarta-feira 26 o pedido apresentado pela campanha do presidente Jair Bolsonaro (PL) para investigar supostas irregularidades nas inserções eleitorais do ex-capitão em rádios do Nordeste.

“Diante de todo o exposto, nos termos do RITSE, art. 36, § 6o, INDEFIRO A PETIÇÃO INICIAL, EM RAZÃO DE SUA INÉPCIA, com a consequente extinção do processo sem resolução do mérito”, escreveu o magistrado.

Na decisão, Moraes alega que a campanha de Bolsonaro não incluiu “qualquer documento suficiente a comprovar suas alegações, pois somente juntaram documento denominado de ‘relatório de veiculações em Rádio’, gerado por uma empresa – ‘Audiency Brasil Tecnologia’ – não especializada em auditoria e cuja metodologia não oferece as condições necessárias de segurança para as conclusões apontadas pelos autores”.

O ministro ainda pede que o Ministério Público Federal investigue se houve “cometimento de crime eleitoral com a finalidade de tumultuar o segundo turno do pleito em sua última semana”. Também determinou o envio do caso ao Supremo Tribunal Federal, no âmbito do inquérito que apura a atuação de uma milícia digital contra a democracia.

Na denúncia apresentada ao TSE, a campanha bolsonarista apontou que oito emissoras teriam deixado de veicular um total de 760 inserções do ex-capitão na última semana. 

Segundo Moraes, “os erros e inconsistências apresentados nessa pequena amostragem de oito rádios são patentes”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo