Ministério pede suspensão de novas regras de frete para caminhoneiros

Após ameaça de greve da categoria, ministro Tarcísio de Freitas enviou ofício à Agência Nacional de Transportes Terrestres

Foto: Secom/PF

Foto: Secom/PF

Política

O Ministério da Infraestrutura anunciou, nesta segunda-feira 22, que pediu a suspensão da resolução que instituiu novas regras para o frete do transporte rodoviário de cargas. A solicitação foi feita à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

A nova tabela foi publicada na última quinta-feira 18 e entrou em vigor no sábado 20, mas gerou insatisfação entre caminhoneiros, que começaram a se mobilizar pela deflagração de uma nova greve. Segundo nota do Ministério, haverá uma audiência extraordinária nesta segunda-feira 22 e uma leva de reuniões com representantes do setor e do governo na quarta-feira 24.

O ministro da pasta, Tarcísio Gomes de Freitas, afirmou, em ofício, que foi observada “uma insatisfação em parcela significativa dos agentes de transporte”. Além disso, pediu mais discussões sobre “diferenças conceituais quanto ao valor do frete e o piso mínimo que pode repercutir na remuneração final dos caminhoneiros”.

Antes da nova resolução publicada no sábado 22, valia o método que considerava apenas a quilometragem percorrida no cálculo do valor do frete. Agora, o tempo de carga e descarga, custo com depreciação do caminhão, entre outros fatores, também entram na conta.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem