Política

Ministério da Justiça determina que PF investigue ameaças de morte contra Lula

“As redes sociais não são e não serão um terreno de incentivo a crimes contra as autoridades”, disse Ricardo Cappelli

O presidente Lula. Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

O Ministério da Justiça e Segurança Pública pediu que a Polícia Federal investigue uma suposta “vaquinha” provocada por usuários do X (antigo Twitter) para a compra de um “rifle de precisão” que seria utilizado contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

A informação foi divulgada secretário-executivo do ministério, Ricardo Cappelli, em sua conta pessoal no X: “Estou encaminhando hoje à Polícia Federal determinação para que apure ameaça feita ao presidente Lula nas redes sociais fazendo alusão a ‘rifle de precisão’ e ‘vaquinha para tal’. As redes sociais não são e não serão um terreno de incentivo a crimes contra as autoridades.”

Cappelli e o Ministério da Justiça e Segurança Pública não divulgaram mais informações sobre a possível “vaquinha” e também não informou os dados do autor das mensagens ameaçadoras.

Ameaças e invasão de perfil

Em janeiro deste ano, um homem foi preso em Roraima por conta de uma publicação nas redes sociais. Na ocasião, ele disse que “seria a hora de colocar a bala na cabeça dele”, em referência a Lula, que faria uma visita ao estado.

No Pará, em agosto deste ano, um fazendeiro foi preso. De acordo com a Polícia Federal, havia denúncias de que o homem estaria planejando um atentado contra Lula, que também passaria pelo estado.

No dia 11 de dezembro, um adolescente de 17 anos invadiu o perfil da primeira-dama Janja da Silva no X e fez mais de 30 publicações ofensivas. Em depoimento, o jovem admitiu que encontrou as informações do e-mail e da senha por meio de vazamento de dados na internet.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo