Política

Michelle Bolsonaro acusa esquerda de tentar “legalizar assassinato de crianças”

“Quer liberar as drogas e destruir as famílias”, afirmou ex-primeira-dama no evento com representantes da direita

Imagem: Isac Nóbrega/PR
Apoie Siga-nos no

A ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro acusou, neste domingo 24, a esquerda de “tenta legalizar o assassinato de crianças”.

A declaração foi feita em um vídeo transmitido durante a 4ª conferência do Cpac Brasil, evento anual que reúne representantes da direita no Brasil. 

“A esquerda, com todo seu aparelhamento, tenta legalizar o assassinato de crianças por meio do aborto. Quer liberar as drogas e destruir as famílias e faz de tudo para calar as vozes que lhe são contrárias”, afirmou Michelle.

A presidente do PL Mulheres afirmou estar esperançosa por observar um movimento de pessoas de direita para a “construção de sociedades melhores, não baseadas em ideologias inúteis”. 

Ela ainda alegou que o País sofre um desmonte de áreas fundamentais para a sociedade. 

“A comparação entre o nosso governo [de Jair Bolsonaro (PL)], orientado por valores conservadores e o atual governo [de Lula (PT)], orientado por ideais comunistas e suas derivações, é inevitável”, disse.

Michelle trouxe de volta as acusações bolsonaristas contra a esquerda, como a introdução de “ideologias que destroem o futuro” do País, a defesa de “bandidos” e a adoção de políticas que “levarão à venezuelização” da economia.

A presidente do PL Mulher ainda comentou sobre o aborto e a descriminalização das drogas. 

“Nós protegemos a família e somos contra a liberação das drogas”, declarou. 

Segundo a ex-primeira-dama, a esquerda “quer liberar as drogas e destruir as famílias”, além de fazer de tudo “para calar as vozes que lhe são contrárias”. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo