‘Meu Exército não vai às ruas para agir contra o povo’, diz Bolsonaro

O presidente afirmou que a ação de governadores e prefeitos 'terá limite um dia' e questionou: 'O que estão esperando acontecer?'

O presidente da República, Jair Bolsonaro, ao lado do novo ministro da Cidadania, João Roma. Foto: Reprodução

O presidente da República, Jair Bolsonaro, ao lado do novo ministro da Cidadania, João Roma. Foto: Reprodução

Política

O presidente Jair Bolsonaro voltou a se referir a uma das Forças Armadas como “sua”, durante transmissão ao vivo nesta quinta-feira 1, um dia após a troca nos comandos do Exército, da Marinha e da Aeronáutica.

 

 

“Meu Exército brasileiro não vai às ruas para agir contra o povo”, afirmou o presidente, ao lado do novo ministro da Cidadania, João Roma.

Bolsonaro criticava as medidas sanitárias aplicadas por governadores e prefeitos que, segundo ele, “têm poderes mais restritivos que um estado de sítio”. O presidente defendeu, especialmente, a liberação da realização de cultos religiosos. Também pediu que o Supremo Tribunal Federal “reveja certas posições”.

“Esse excesso de poder absoluto, mais que o estado de sítio, para governadores e prefeitos, isso realmente não dá para a gente admitir”, declarou.

 

“Isso vai ter limite um dia. Não pode continuar acontecendo essas coisas e assistindo passivamente isso daí.”

 

Em seguida, após uma fala do ministro da Cidadania sobre o auxílio emergencial, Bolsonaro se queixou dos efeitos econômicos dos decretos de isolamento social e disse que as Forças Armadas não auxiliarão no cumprimento das medidas.

“E eu quero repetir aqui. O meu Exército brasileiro não vai às ruas para agir contra o povo ou para fazer cumprir decretos de governadores e prefeitos”, afirmou. “O meu Exército, enquanto eu for presidente, não vai. O que estão esperando acontecer?”, completou.

O presidente também defendeu a nomeação de Walter Braga Netto para o Ministério da Defesa e rejeitou críticas de que está “politizando” as Forças Armadas. O general substituiu Fernando Azevedo e Silva na chefia da pasta.

“Quando [o Ministério da Defesa] estava sendo aparelhado com gente do PT e do PCdoB, ninguém falava nada”, disse.

Ao fim da live, Bolsonaro voltou a exaltar a ditadura militar e citou Roberto Marinho, fundador das Organizações Globo, como apoiador do golpe de 1964 e criticou a decisão da empresa de pedir desculpas pela posição em 2013.

“Violentaram a memória do senhor Roberto Marinho”, afirmou Bolsonaro.

Também criticou a instauração da Comissão Nacional da Verdade, pelo governo de Dilma Rousseff (PT), criada para apurar crimes contra a humanidade cometidos na ditadura militar.

“Como se você pudesse acreditar que o PT tivesse algum compromisso com a verdade”, ironizou.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem