Maximiano nega contato com Barros sobre emenda de importação da Covaxin

Maximiano admitiu conhecer Ricardo Barros e ter interesse na emenda, mas negou influência no processo legislativo

Francisco Maximiano, dono da Precisa Medicamentos
Foto: Pedro França/Agência Senado

Francisco Maximiano, dono da Precisa Medicamentos Foto: Pedro França/Agência Senado

Política

Durante depoimento na CPI da Covid, o dono da Precisa Medicamentos, Francisco Maximiano, negou influência na aprovação de uma lei no Congresso para destravar a importação da vacina indiana Covaxin. A sugestão foi aprovada após emenda apresentada pelo líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), investigado pela CPI.

Maximiano admitiu conhecer Ricardo Barros e ter interesse na emenda, mas negou influência no processo legislativo. “Por óbvio tornava a Covaxin elegível, também como outras autoridades, mas não houve absolutamente nenhum contato com o deputado Ricardo Barros e tampouco com outro para fazer essa inclusão”, afirmou.

Barros foi autor, em fevereiro, de emenda na Câmara que viabilizou a importação da Covaxin por meio da inclusão da Central Drugs Standard Control Organization (CDSCO), da Índia, na lista de agências reconhecidas pela Anvisa para permitir a autorização de importação e distribuição de vacinas de outros países. A CDSCO deu aval à Covaxin. No Brasil, a Anvisa chegou a ceder uma autorização prévia para importar o imunizante, mas cancelou a licença em meio às suspeitas. Ao depor na CPI, o deputado negou que a emenda tivesse relação com o caso.

O dono da Precisa ficou em silêncio na maioria das perguntas feitas pelo relator da investigação, Renan Calheiros (MDB-AL). Uma das perguntas não respondidas foi sobre o padrão de vida em relação aos seus rendimentos. Ele levou à Índia uma comitiva de empresários com os quais sua rede de empresas fez transações milionárias consideradas suspeitas. A CPI apura se alguma dessas movimentações financeiras serviram para lavagem de dinheiro.

Maximiano negou relação entre a Precisa e o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro. O parlamentar, porém, levou Maximiano para uma reunião com o presidente do BNDES, Gustavo Montezano, em 13 de outubro. Flávio Bolsonaro negou que o encontro tenha relação com a Covaxin, versão repetida pelo empresário durante o depoimento.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem