…

Manuela é praticamente ignorada em Twitter de Lula e Haddad

Política

Desde que foi apresentada como vice original de Lula na disputa ao Palácio do Planalto, dia 6 e 7 de agosto, Manuela D’Ávila (PCdoB) tem viajado o País e promovendo atividades no Rio Grande do Sul para fazer campanha da chapa “Lula/Manuela/ Haddad”. Familiar e muito forte nas redes sociais, a deputada também atua intensivamente na campanha no Facebook e Twitter ainda que, oficialmente, a chapa ainda não apresente seu nome, mas o de Lula e de Fernando Haddad.

Passado quase um mês desde o anúncio, Manuela não para de defender a candidatura e a liberdade do ex-presidente. Também faz referências diárias a Lula e Haddad nas redes sociais. Só no Twitter, por exemplo, ela mencionou os dois petistas 113 vezes em 24 dias (83 tagueando @Lulaoficial e 52 @Haddad_Fernando).

A reciprocidade à vice original, entretanto, não tem sido a mesma. No mesmo período em que a CartaCapital contabilizou as menções feitas por Manuela (entre a noite de 10 de agosto e noite de 4 de setembro), a equipe do PT que gere a conta de Twitter de Lula mencionou-a apenas 18 vezes @ManuelaDavila – seis foram retuítes de postagens da deputada e uma para parabenizá-la em seu aniversário -, contra 224 vezes que @Haddad_Fernando foi tagueado.

Da parte da conta de Haddad no Twitter, ela foi citada 10 vezes e Lula, 110 no mesmo período.

Histórico

Na madrugada do dia 6 de agosto, a presidenta do PT, Gleisi Hoffmann apresentou a integrante do PCdoB como a verdadeira vice de Lula e Haddad, como representante de Lula. No dia seguinte, Manuela explicou em coletiva: “Nós [PCdoB] vamos ocupar o papel de vice em qualquer dos cenários”.

A comunista também fez questão de falar dos detalhes jurídicos da situação ao afirmar que entrará oficialmente no registro da chapa no TSE quando o “desfecho jurídico esperado” acontecer – em referência a homologação do registro de Lula.

O desfecho, porém, não foi como o esperado até agora. Por 6 votos a 1, o TSE cassou o registro de candidatura de Lula. A defesa do petista espera os recursos protocolados tanto na Corte eleitoral como no Supremo Tribunal Federal.

Ainda que a defesa de Lula tenha entrado com recurso para reverter a decisão, os prazos se abreviam a cada dia: o PT tem apenas até o próximo dia 11 para bater o martelo dos nomes que concorrerão de fato à Presidência e à Vice-Presidência na coligação “O Povo Feliz de Novo”.

Falta de sintonia

A falta de alinhamento nos discursos começou logo no dia 1º de agosto. Para os petistas mais “tradicionais”, não caiu bem que Manuela endossasse o meme que circulava nas redes sociais mostrando ela, Lula e Haddad como o verdadeiro triplex. Segundo um petista, após a coletiva, foi feita uma reunião em que se tentou alinhar a condução da campanha dali para frente.

Colocá-la na campanha agora, afirma uma liderança do PT, significa confundir o eleitorado. O foco agora é apresentar um vínculo forte entre Lula e Haddad. Uma pessoa entre os dois poderia atrapalhar esse processo.

“Se apresentamos dois vices estamos apresentando o futuro presidente. Então, na verdade, estaríamos desacreditando o Lula. Não dava para ser isso.”  “Ela vai ter o momento dela, não é agora”, concluiu.

Manuela não foi citada sequer nos dois primeiros dias de veiculação da propaganda eleitoral na TV. Nem com menção nem com imagem dela ao lado de Lula ou Haddad.

A tentativa de Manuela apresentar os três como um time nas redes sociais ficou restrita a uma iniciativa dela. A hashtag #LulaManuHaddad, por exemplo, foi adotada apenas pela deputada e alguns de seus militantes no Twitter. Nas contas de Lula e Haddad a etiqueta aparece em pouquíssimos retuítes. Manuela a usou 83 vezes no período analisado.

Procuradas, as assessorias de Lula e Haddad preferiram não se manifestar. Já a assessoria da candidata à vice informou que “a Manuela tem uma forma de usar as redes sociais diferente das redes de Lula e Haddad. E todas estão crescendo”.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site CartaCapital.com.br

Compartilhar postagem