Política

“Macron é de esquerda e eu sou de centro-direita”, diz Bolsonaro

Declaração ocorreu em entrevista no Palácio da Alvorada, junto ao presidente do Chile, Sebastian Piñera

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou, nesta quarta-feira 28, que a repercussão de “inverdades” ditas pelo presidente francês Emmanuel Macron ocorreu por ele ser de esquerda. Em seguida, Bolsonaro se declarou como “centro-direita”.

Em entrevista à imprensa, o presidente brasileiro havia complementava a fala do presidente do Chile, Sebastian Piñera, que visitou o Palácio da Alvorada pela manhã. Piñera respondia a uma pergunta sobre o isolamento de Macron na cúpula do G7, em relação aos escândalos que envolvem as queimadas Amazônia, quando Bolsonaro interferiu.

“Essa inverdade do Macron ganhou força porque ele é de esquerda e eu sou de centro-direita também. Então, deixo bem claro isso aí para vocês. Hoje, um jornal alemão nos procurou, estamos acertando, talvez eu dê uma declaração porque o jornalista andou pela região Amazônia e está surpreso com a forma carinhosa e positiva como eu sou avaliado nessa região”, disse Bolsonaro.

Em seguida, um repórter contrapôs a fala do presidente da República: “Na França, ele é considerado centro-direita”. Bolsonaro rebateu: “Para você, para mim não. Ele sabe que é de esquerda, até pelo seu comportamento”.

Durante a entrevista, Bolsonaro repetiu acusações de críticas do presidente francês são baseadas em informações inverídicas. Além disso, reforçou que Macron tem interesses particulares no assunto e que deve desculpas ao governo brasileiro.

“No meu entendimento, houve um aproveitamento por parte do senhor presidente Macron para se capitalizar perante o mundo como aquela pessoa única e exclusiva interessada em defender o meio ambiente. Essa bandeira não é dele, é nossa, é do Chile, é de muitos países no mundo. Então, o que ele fez no tocante ao Brasil? Primeiro, ao ofender o presidente da República eleito democraticamente. E depois, por mais de uma vez, ao relativizar a nossa soberania, isso despertou o sentimento patriótico do povo brasileiro, bem como de outros países da América do Sul que fazem parte da região amazônica”, afirmou.

O presidente chileno enfatizou que a comunidade internacional deve respeitar a soberania do Brasil na região amazônica.

“É muito importante partir pelo básico. A Amazônia do Brasil está na soberania brasileira, e isso devemos reconhecer e respeitar sempre. Mas também é certo que muitos países querem colaborar com um país amigo como o Brasil. Portanto, o Chile está muito contente de poder colaborar e poder organizar a colaboração de outros países que também querem contribuir, mas sempre respeitando a soberania do Brasil e também respeitando o presidente do Brasil”, defendeu Piñera.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!