Lula também venceria Bolsonaro no segundo turno, diz pesquisa

Presidente atingiu a maior desaprovação desde o começo do governo

Foto: Ricardo Stuckert

Foto: Ricardo Stuckert

Política

Se as eleições presidências de 2022 fossem hoje, o ex-presidente Lula venceria Jair Bolsonaro por 40% contra 38% no segundo turno. É a primeira vez que o petista fica numericamente à frente do ex-capitão.

 

 

Os números fazem parte de pesquisa da EXAME/IDEIA, divulgada nesta sexta-feira 23. Considerando a margem de erro de três pontos, os dois seguem empatados.

Entre os entrevistados, 50% dizem que Bolsonaro não merece continuar como presidente do Brasil. Já 52% não querem Lula em seu terceiro mandato.

Todos os outros candidatos, como Doria, Huck e Ciro somam, juntos, 32%. Com isso, ficam tecnicamente empatados com Bolsonaro e Lula caso haja um nome definido para representar essa terceira via.

 

Rejeição histórica a Bolsonaro

A rejeição ao trabalho do presidente atingiu o maior número desde que o ex-capitão assumiu em 2019. Do total de entrevistados, 54% desaprovam a maneira como o presidente trabalha. O número é igual ao que foi registrado em junho de 2020, no auge da primeira onda de Covid-19 no País. Outros 25% aprovam a gestão e 20% não aprovam e nem desaprovam.

“A avaliação ruim é consequência de três fatores. O primeiro é a sensação de que a o ritmo de vacinação ainda não decolou. Em segundo, a gente teve semanas com recordes em relação ao número de mortos em decorrência da covid-19, e isso atrapalha a avaliação presidencial. Por último, a população não percebeu até agora um efeito positivo da nova rodada do auxílio emergencial”, avalia Maurício Moura, fundador do IDEIA, instituto de pesquisa.

O levantamento ouviu 1.200 pessoas entre os dias 19 a 22 de abril.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem