Lula deve se reunir com papa Francisco no Vaticano

Ex-presidente deverá ficar fora do país entre os dias 12 e 15 de fevereiro; encontro com o pontífice será no dia 13

Luiz Inácio Lula da Silva (Foto: Ricardo Stuckert)

Luiz Inácio Lula da Silva (Foto: Ricardo Stuckert)

Mundo,Política

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem um encontro marcado com o papa Francisco na próxima quinta-feira 13, no Vaticano. Lula, que no momento responde em liberdade enquanto aguarda o resultado de um recurso contra a pena por corrupção, estará fora do país entre os dias 12 e 15 de fevereiro.

Por conta da viagem, Lula solicitou o adiamento de seu depoimento em uma audiência judicial referente à operação Zelotes, que aconteceria no próximo dia 11. A 10ª Vara Criminal Federal do Distrito Federal informou que “o pedido está em análise”.

Esse interrogatório faz parte da operação Zelotes, na qual Lula é acusado de “corrupção passiva” por suposta participação na venda de uma medida provisória que prorrogaria a validade dos incentivos fiscais para as montadoras, favorecendo o setor automobilístico.

Influência argentina

O encontro entre o ex-presidente brasileiro e o pontífice católico foi intermediado pelo atual presidente argentino, Alberto Fernandéz, que encontrou com o líder máximo da Igreja Católica no fim de janeiro.

“O Lula me pediu para ver o Papa. E eu pedi (ao Papa) se ele podia receber o Lula. E ele (o Papa) me disse que ‘claro’ e que (o Lula) lhe escrevesse porque ele (o Papa), com todo prazer, o receberá”, revelou Fernandéz.

Na ocasião, Fernández também indicou que o assunto sobre uma visita de Lula ao Vaticano surgiu quando os dois, Alberto Fernández e Papa Francisco, tocaram no assunto sobre “lawfare”, termo usado para definir uma guerra judiciária para intervir na política e para destruir adversários.

*Com informações de AFP e RFI

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem