CartaExpressa

Lula defende que Robinho cumpra pena por estupro coletivo no Brasil

Robinho foi condenado a 9 anos de prisão pelo estupro coletivo de uma jovem em uma boate de Milão

O ex-jogador Robinho. Foto: Ricardo Saibun/Santos FC
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) defendeu nesta segunda-feira 11 que o ex-jogador Robinho, condenado a nove anos pela justiça italiana por estupro coletivo, cumpra pena no Brasil.

“Então o estupro é um crime imperdoável. Então a pessoa tem que ser condenada, tem que ser julgada, tem que ser condenada. O Robinho já foi condenado na Itália e era para ele estar cumprindo pena aqui, que agora vai ser julgado este mês”, disse em entrevista ao SBT.

“Espero que ele pague o preço da irresponsabilidade dele”, completou o presidente.

O Superior Tribunal de Justiça pautou para 20 de março o julgamento que poderá autorizar o cumprimento no Brasil da pena imposta pela Justiça da Itália ao ex-jogador.

Robinho foi condenado a 9 anos de prisão pelo estupro coletivo de uma jovem em uma boate de Milão, em 2013. Em novembro do ano passado, o Ministério Público Federal se manifestou a favor da execução da pena no Brasil.

A Itália havia solicitado a extradição de Robinho. A Constituição brasileira, contudo, não prevê a possibilidade de extraditar cidadãos natos e, por isso, a Justiça italiana decidiu requerer o cumprimento da sentença.

Na prática, portanto, o STJ analisará se a condenação pode ser reconhecida e executada no Brasil. O relator do caso é o ministro Francisco Falcão.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo