Política

Terroristas e financiadores dos atos em Brasília serão identificados e punidos, diz Lula

O presidente decretou intervenção federal no Distrito Federal na tarde deste domingo 8

O presidente eleito Lula. Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) decretou intervenção federal no Distrito Federal na tarde deste domingo 8, em meio à ação de terroristas bolsonaristas que invadiram áreas do Congresso Nacional, do Supremo Tribunal Federal e do Palácio do Planalto.

A intervenção, válida até 31 de janeiro, limita-se à área de segurança pública, segundo Lula. O interventor nomeado é Ricardo Garcia Cappelli, secretário-executivo do Ministério da Justiça.

“A barbárie aconteceu em Brasília. Aquelas pessoas chamamos de fascistas”, disse o presidente em pronunciamento. “Todas as pessoas que fizeram isso serão encontradas e serão punidas. Eles vão perceber que a democracia garante a liberdade de comunicação e expressão, mas também exige que as pessoas respeitem as instituições criadas para fortalecê-la. ”

Lula declarou que a esquerda brasileira “já teve gente torturada, morta, desaparecida, e nunca vocês leram alguma notícia de algum partido de esquerda ou movimento de esquerda invadindo o Congresso, o Supremo e o Planalto”.

Ele ainda se comprometeu com a identificação dos financiadores da ação terrorista neste domingo, na capital federal.

“Isso não se repetirá. Vamos tentar descobrir quem pagou os ônibus, quem pagava estadia, quem pagava churrasco todo dia, e essa gente toda vai pagar. E também da parte do governo federal. Se houve omissão de alguém no governo que facilitou isso, também será punido. Isso não será admitido.”

Leia o decreto:

Untitled_01082023_050021

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.