Lula busca aproximação com PSDB e centro para agilizar compra de vacinas

O petista quer se unir a outros ex-presidentes para exercer influência internacional na compra de imunizantes

Reprodução/YouTube

Reprodução/YouTube

Política

O governador Wellington Dias (PT), do Piauí, será o emissário do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nas conversas com o PSDB e outros partidos do centro.

 

 

A estratégia é encontrar “um lugar para Lula na crise sanitária” para que, juntamente com outros ex-presidentes – como Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Michel Temer (MDB) -, exerça influência internacional a fim de conseguir vacinas e insumos para a produção de imunizantes no País.

“É hora de dar os braços ao João Doria, ao Eduardo Leite, independentemente de 2022. É a hora de os líderes demonstrarem grandeza”, afirmou Dias ao Estadão, sobre os governadores tucanos de São Paulo e do Rio Grande do Sul.

Dias e Lula conversaram na quinta-feira, 11. O aliado do Piauí é o coordenador do consórcio de governadores do Nordeste, que anunciou, no dia seguinte, um acordo com o fabricante russo da vacina Sputnik para a compra de 39 milhões de doses.

Na quarta-feira, 10, o ex-presidente aconselhou o partido a repensar os encontros eleitorais que havia autorizado o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad a cumprir.

Candidato ao Planalto derrotado em 2018, ele já havia se reunido com o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD). No dia seguinte, deveria ter se encontrado o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ), mas cancelou. A ordem é deixar baixar a poeira da decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), que tornou Lula elegível.

Aceno

Para conseguir romper o canto esquerdo onde estava relegado nos últimos anos, o petismo não poupa, agora, elogios à atuação de Doria na pandemia. Wellington Dias afirmou: “O papel dele é importantíssimo. Se não fosse o governador Doria, não teríamos vacinação. São do Butantan cerca de 8 milhões das 12 milhões de vacina aplicadas até agora no Brasil”.

O governador do Piauí disse ter explicado a Lula que vacinas e respiradores são hoje alvo de um “leilão mundial” e que não há coordenação no País que auxilie os Estados nessa busca. “Lula é respeitadíssimo, assim como FHC e Temer. Eles podem usar seus contatos internacionais”, afirmou o petista.

Em janeiro Lula havia enviado carta ao líder chinês Xi Jinping para criticar Bolsonaro e elogiar o embaixador Yang Wanming e a parceria entre a chinesa Sinovac e o Instituto Butantan para a produção da Coronavac, a principal aposta de Doria. No sábado, 12, quando recebeu a primeira dose, voltou a exaltar a vacina e o Butantan.

O Estadão consultou outros líderes petistas com acesso a Lula, que confirmaram a ordem de enfatizar a pandemia para o partido se contrapor ao governo Bolsonaro, discutindo o que fazer para combater o vírus.

“O efeito da pandemia será devastador. E o tema será central na campanha. Bolsonaro lutou contra vacinas, não paga UTIs, é contra medidas de contenção. Ele vai carregar as mortes até a campanha”, disse o ex-governador de Minas Fernando Pimentel. “O antipetismo perdeu relevância. O relevante agora é o antibolsonarismo. Para a maioria do eleitorado, o que importa é derrotar Bolsonaro.”

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem