Política

Lula escolhe Luiz Marinho para chefiar o Ministério do Trabalho

Presidente do diretório paulista do PT, ele já foi prefeito de São Bernardo do Campo, ministro do Trabalho e Emprego e ministro da Previdência Social

Luiz Marinho e Fernando Haddad. Foto: Partido dos Trabalhadores
Apoie Siga-nos no

O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) escolheu Luiz Marinho (PT-SP) para comandar o Ministério do Trabalho a partir de 1º de janeiro.

Marinho aceitou o convite nesta quarta-feira 14.

Presidente do diretório paulista do PT, ele já foi prefeito de São Bernardo do Campo, ministro do Trabalho e Emprego (entre 2005 e 2007) e ministro da Previdência Social (entre 2007 e 2008).

Luiz Marinho foi eleito deputado federal neste ano, mas não assumirá o posto. Ele recebeu 156.202 votos e foi o 34º deputado mais votado no estado.

Marinho também tem uma longa história de militância no movimento sindical. Nos anos 1980 e 1990, ocupou diversos cargos relevantes no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. Em 2003, foi eleito presidente da Central Única dos Trabalhadores.

Ele começou a disputar eleições em 2002, quando foi candidato a vice-governador de São Paulo na chapa encabeçada por José Genoino (PT). Os petistas, porém, perderam a disputa em segundo turno para Geraldo Alckmin, então no PSDB.

Em 2018, concorreu ao governo paulista, mas terminou o primeiro turno em quarto lugar, com cerca de 13% dos votos. Na ocasião, Márcio França (PSB) e João Doria (PSB) foram ao segundo turno, no qual o tucano levou a melhor.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo