Política

‘Lista de detratores’: Deputada pede CPI para investigar o governo

Jandira Feghali (PCdoB-RJ) encaminhou requerimento para abertura de ‘apuração rigorosa’

O presidente da República, Jair Bolsonaro. Foto: Alan Santos/PR
O presidente da República, Jair Bolsonaro. Foto: Alan Santos/PR

A deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ) solicitou formalmente a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a lista de “detratores” organizada pelo governo do presidente Jair Bolsonaro e revelada pelo colunista Rubens Valente, do portal UOL.

 

O documento veiculado pelo site mostra a listagem de 81 nomes, separados por “detratores”, “neutros informativos” e “favoráveis”. Entre os detratores, o governo listou os influenciadores Sabrina Fernandes e Jones Manoel, colunistas do canal de CartaCapital no YouTube.

O relatório, elaborado por uma agência de comunicação contratada pelo Palácio do Planalto, recomenda “monitoramento preventivo” de alguns citados, como o professor Jessé Souza e o youtuber Felipe Neto.

No requerimento, Jandira diz que é necessário investigar a produção do mapa e identificar quais agentes políticos e públicos estão envolvidos na determinação para a sua criação. A deputada sustenta que o levantamento não cumpre “objetivos republicanos” e , “atenta contra os princípios que regem a administração pública”.

“Os fatos merecem a atenção deste Parlamento em apuração rigorosa sobre os termos do contrato firmado com a empresa BR+Comunicação e os objetivos que justificaram que recursos públicos fossem direcionados para que uma empresa privada orientasse órgãos da administração pública sobre como deveria lidar com o grupo”, escreveu.

É preciso ter, no mínimo, 171 assinaturas de deputados que concordam com a criação da CPI, número que representa um terço dos 513 parlamentares da Casa. Se instaurada, a CPI terá 31 deputados titulares e o mesmo número de suplentes para investigar o caso em até 120 dias, prazo prorrogável por mais 60 dias. A Câmara dos Deputados só pode ter, no máximo, cinco CPIs funcionando ao mesmo tempo. Atualmente, nenhuma está em atividade.

Nas redes sociais, influenciadores e jornalistas citados demonstram preocupação com a vigilância do governo. “Não é uma lista sobre ‘revolucionários perigosos’, é monitoramento de liberdade de crítica puro e simples”, escreveu Sabrina Fernandes. “Ter lista de inimigos é coisa de ditador fascista”, criticou Felipe Neto.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!