Política

Líder do governo Lula defende CPMI do 8 de Janeiro após demissão do ministro do GSI

‘Estamos com vontade de ir para lá, estamos com desejo de ter essa investigação’, afirmou Randolfe Rodrigues no plenário do Senado

O líder do governo no Congresso, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) Foto: Geraldo Magela/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

O líder do governo Lula no Congresso Nacional, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), defendeu nesta quarta-feira 19 a instalação de uma CPMI – formada por deputados e senadores – para apurar os atos golpistas de 8 de Janeiro.

O anúncio de Randolfe representa uma mudança na avaliação da gestão federal. Lula se manifestou em diversas ocasiões contra a abertura da comissão, por entender que ela serviria apenas para desgastar o governo e funcionar como um palanque para a oposição.

A reviravolta expressa por Randolfe ocorreu minutos após a demissão do ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Gonçalves Dias, diante da divulgação de um conjunto de novas imagens sobre os ataques terroristas.

“Dia 25, nós é que queremos a leitura desse requerimento de CPMI. Vamos para essa investigação e vamos com força. De investigação e comissão de inquérito, nós entendemos. Estamos com vontade de ir para lá, estamos com desejo de ter essa investigação”, disse o senador no plenário. “Ouçam bem claramente: queremos a investigação. Queremos porque no 8 de Janeiro tivemos três vítimas neste País: a República, a democracia e o atual governo. Não fomos os algozes do 8 de Janeiro, nós somos as vítimas.”

Nos últimos dias, parlamentares bolsonaristas vinham ameaçando travar a pauta legislativa até a leitura do requerimento de instalação da CPMI e cogitavam acionar o Supremo Tribunal Federal.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo