Justiça Eleitoral manda apreender material de campanha de Russomanno

A denuncia foi feita pelo advogado do Movimento Brasil Livre (MBL), Rubens Nunes

O candidato à Prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno (Republicanos). Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

O candidato à Prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno (Republicanos). Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Política

A Justiça Eleitoral determinou na noite dessa segunda-feira, 2, o recolhimento de material de campanha do deputado federal Celso Russomanno (Republicanos), candidato à Prefeitura de São Paulo, por propaganda irregular.

 

 

De acordo com o juiz Emílio Migliano Neto, da 2ª Zona Eleitoral de São Paulo, o material impresso violou uma regra segundo a qual o nome do candidato a vice, Marcos da Costa (PTB), na chapa deve ter ao menos 30% do tamanho do titular.

A decisão, dada em caráter liminar, já tem que ser cumprida. Quem ingressou com a ação foi o advogado do Movimento Brasil Livre (MBL) Rubens Nunes, candidato a vereador pelo Patriota, partido do candidato à Prefeitura Arthur do Val. A informação foi antecipada pela colunista Bela Megale, do jornal O Globo, e confirmada pelo Estadão.

De acordo com Nunes, ele conta com uma força-tarefa nesta terça-feira, dia 3, para se certificar que a decisão está sendo cumprida pelo adversário. Caso haja material irregular circulando, a campanha de Russomanno poderá ser multada.

Advogado responsável pela equipe de Russomanno, Arthur Rollo afirma que o material em questão já havia sido distribuído e as peças impressas atualmente estão seguindo a legislação. Assim, informou, não há consequência prática para a campanha.

Ex-presidente da seção paulista da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SP), Marcos da Costa acompanhou Russomanno nas agendas de campanha nesta terça-feira, 3. O candidato sugeriu que a vacina contra o novo coronavírus deve ser testada em quem já está doente.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem