Política

Justiça derruba liminar e Rio poderá flexibilizar quarentena

Presidente do TJ-RJ liberou o funcionamento de comércio, shoppings e pontos turísticos aos moldes do anunciado por Wilson Witzel

Apoie Siga-nos no

O presidente do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro suspendeu, na tarde desta terça-feira 09, uma liminar que tinha impedido que medidas de flexibilização da quarentena no estado fossem implementadas. Com isso, o comércio, shoppings centers, treinos de futebol e outros devem ser autorizados novamente a funcionarem com devidas recomendações sanitárias.

Na decisão, o desembargador Claudio de Mello Tavares afirmou que a 7ª Vara de Fazenda Pública do Tribunal de Justiça havia interferido em uma área cabível ao Poder Executivo, que controla as medidas necessárias para conter a pandemia.

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), havia determinado na noite de sexta-feira 05 a reabertura de shoppings, bares, restaurantes, igrejas, estádios e pontos turísticos. A cidade do Rio já observava flexibilizações desde o dia 01 de junho. Atualmente, há 69.499 casos confirmados de covid-19 em todo o estado e 6.781 óbitos, segundo o informado pelo Ministério da Saúde.

O juiz Bruno Vinícius da Ros Bodart da Costa, que apresentou a liminar, havia convocado uma audiência virtual para esta quarta-feira 10 a fim de entender melhor o amparo científico das medidas do governo.

No entanto, o desembargador argumentou pela necessidade de retomada da economia devido à falência de comerciantes e empresários e consequente perda de empregos, e afirmou que os governos estariam dispostos a voltar a implementar medidas de quarentena caso os casos aumentem no Rio.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo