Política

Justiça condena Cabral a mais 17 anos por propinas de R$ 78,9 mi

O processo foi aberto a partir das investigações da extinta Operação Lava Jato

Sérgio Cabral, ex-governador do Rio de Janeiro. Foto: Jason Silva/AFP
Sérgio Cabral, ex-governador do Rio de Janeiro. Foto: Jason Silva/AFP
Apoie Siga-nos no

O juiz Marcelo Bretas, da 7.ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, condenou nesta sexta-feira, 20, o ex-governador Sérgio Cabral a mais 17 anos, sete meses e nove dias de prisão por supostamente ter recebido R$ 78,9 milhões em propinas da Odebrecht em obras realizadas na capital no início do seu primeiro mandato. O processo foi aberto a partir das investigações da extinta Operação Lava Jato.

A denúncia é desdobramento das operações Calicute, Eficiência e Tolypeutes. O Ministério Público Federal diz que houve repasses indevidos, em 2007, na reforma do estádio do Maracanã para a Copa de 2014, nas obras da linha 4 do metrô e do Arco Metropolitano e na urbanização da favela do Alemão com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal. As primeiras suspeitas foram levadas aos investigadores a partir da delação de executivos da Andrade Gutierrez. A denúncia foi recebida em 2018.

“A condenação dos acusados é medida que se impõe”, escreveu Bretas ao dizer que o ex-governador “mercantilizou” o cargo e foi o “principal idealizador e articulador” do suposto esquema de corrupção.

“Nada mais repugnante do que a ambição desmedida de um agente público que, tendo a responsabilidade de gerir o atendimento das necessidades básicas de milhões de cidadãos do Estado do Rio de Janeiro, opta por exigir vantagens ilícitas a empresas”, acrescentou.

Preso desde 2016, o ex-governador foi transferido no início do mês para o quartel dos Bombeiros após suspeitas de regalias na unidade prisional da Polícia Militar.

A decisão de Bretas também condenou os ex-secretários de Governo Wilson Carlos (18 anos, 11 meses e 12 dias de reclusão) e de Obras Hudson Braga (15 anos, um e 25 dias de reclusão). O ex-diretor da RioTrilhos Heitor Lopes de Sousa Junior foi condenado a nove anos e quatro meses e o ex-assessor da Secretaria de Obras do Rio Wagner Jordão Garcia a cinco anos, 11 meses e 20 dias.

Com a palavra, a defesa de Sérgio Cabral

Os advogados Patrícia Proetti, Daniel Bialski e Bruno Borragine, que representam a defesa do ex-governador Sérgio Cabral, ressaltam que recorrerão da sentença, em especial porque o processo conta com nulidades irreversíveis, utilização de provas ilícitas para a condenação, além da sentença ter sido decretada por juiz absolutamente incompetente para processar e julgar este específico processo. Além disso, eles consideram que a pena aplicada está fora de qualquer justo patamar e é nitidamente arbitrária.

Com a palavra, as defesas

A reportagem entrou em contato com a defesa do ex-governador e busca contato com os demais. O espaço está aberto para manifestação.

Estadão Conteúdo

Estadão Conteúdo

Tags: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.