Política

Janot pede prisão de delatores. O que ocorre com denúncia contra Temer?

Baseada em parte nas provas de Joesley Batista, segunda acusação contra o peemedebista deve ter sua continuidade analisada pelo STF

A uma semana de deixar o cargo de procurador-geral da República, Rodrigo Janot dispara desde a segunda-feira 4 uma saraivada de flechas. Nos últimos setes dias, ele revelou a existência de possíveis ilícitos na delação mais impactante de sua trajetória à frente da PGR e lançou denúncias contra integrantes do PT e do PMDB

Agora, o procurador-geral volta seu arco contra aqueles que antes municiavam seus ataques contra a classe política. Após pressão até de Luiz Fux, ministro do Supremo Tribunal Federal, Janot pediu a prisão dos delatores da JBS nesta sexta-feira 8. A decisão pode atrapalhar o avanço de uma segunda denúncia contra Michel Temer, seu provável ato final antes de deixar o posto no domingo 17. 

Leia também: Janot denuncia cúpula do PMDB no Senado por organização criminosa

O procurador-geral enviou ao STF um pedido de prisão de Joesley Batista e Ricardo Saud, ambos da JBS, e do ex-procurador Marcelo Miller. A solicitação ainda será analisada pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo. 

O pedido ocorre após a PGR ouvi-los em depoimento. Na gravação, cuja existência foi revelada por Janot em pronunciamento na segunda-feira 4, Joesley e Saud indicam uma possível participação de Miller no acordo de delação quando este ainda era procurador, o que pode ser considerado um ato de improbidade administrativa.

Ao se tornar pública, a gravação continha menções a ministros do STF como Cármen Lúcia e Gilmar Mendes, mas não trazia relatos de delitos por parte dos magistrados da Corte, embora sugerisse o interesse dos delatores em terem munição contra eles. A ponte para essas informações, segundo a conversa entre Batista e Saud, seria o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo. 

O estrago da gravação sobre o STF foi quase nulo, pois os próprios delatores apressaram-se a pedir desculpas aos ministros e negar qualquer ilícito por parte da Corte. Por outro lado, o áudio atingiu a PGR, ao colocar toda a delação em xeque por consequência da atuação irregular de Miller. Ex-integrante da força-tarefa da Lava Jato em Brasília, o procurador demitiu-se do Ministério Público em abril deste ano para trabalhar no escritório Trench Rossi Watanabe, contratado para atuar no acordo de leniência da J&F, holding controladora da JBS.

Após a divulgação do conteúdo das gravações, Janot e o acordo de delação da JBS passaram a sofrer críticas não apenas de aliados do governo, mas de juristas e colegas de carreira. A CartaCapital, Eugênio AragãoMinistro da Justiça no fim do governo Dilma Rousseff e respeitado procurador, afirmou que o procurador-geral “meteu os pés pelas mãos”. Segundo Aragão, as provas “estarão definitivamente comprometidas” se for confirmada uma fraude na delação. 

Por esse motivo, Janot deve sofrer questionamentos sobre a segunda denúncia a ser apresentada contra Michel Temer, parte dela embasada nas provas trazidas pelos delatores da JBS, entre elas uma gravação que indica o conhecimento do presidente sobre pagamentos mensais ao ex-deputado Eduardo Cunha e ao doleiro Lúcio Funaro.

O procurador-geral defende que as provas colhidas nas delações da JBS ainda seguem válidas, mas há interpretações jurídicas contrárias, como a teoria da “árvore envenenada”, segundo a qual toda prova produzida em consequência de uma descoberta obtida por meios ilícitos estará contaminada. A tese já levou ao encerramento de outras investigações, como a Operação Satiagraha.

Leia também: 
“Jacobinos” da Lava Jato provam do próprio “terror”
Janot, a JBS e a seletividade das críticas à Lava Jato

A defesa de Temer pediu a suspensão de eventuais denúncias contra o peemedebista até o esclarecimento das suspeitas envolvendo a delação da JBS. O plenário do STF deve julgar a questão na quarta-feira 13. O ministro Luiz Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF, decidiu submeter o caso a todos os 11 ministros da Corte.

Apesar do impasse, as provas da JBS devem integrar a denúncia contra Michel Temer por organização criminosa e obstrução da Justiça, um dos últimos atos previstos do procurador-geral à frente do cargo. 

Mesmo que as evidências trazidas pelos executivos da empresa venham a ser consideradas irregulares, Janot baseará sua nova acusação contra o atual presidente em outras delações, entre elas a de Funaro, cuja colaboração pode ser homologada a qualquer momento pelo STF. 

Além de Funaro, Janot deve recorrer ainda a outros delatores, entre eles o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, o doleiro Alberto Youssef, o operador Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, e o ex-diretor da Transpetro Sergio Marchado. 

A segunda denúncia contra Temer deve ser apresentada na próxima semana, a última de Janot à frente da PGR, que será chefiada a partir da segunda 18 por Raquel Dodge. Por mais elementos que a nova acusação possa apresentar, ela dificilmente será autorizada. O Congresso já barrou a primeira acusação de Janot contra Temer, por corrupção passiva. 

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!