Política

Bolsonaro orientou Bebianno a processar o filho Carlos: ‘O moleque tem que aprender’

A revelação, feita pelo próprio ex-ministro dias antes de morrer, foi compartilhada pelo filho do empresário Paulo Marinho

Gustavo Bebianno e Jair Bolsonaro. Foto: Rafael Carvalho/Governo de Transição
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro pediu ao ex-ministro Gustavo Bebianno que processasse o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), que precisava “aprender”. A revelação foi feita por André Marinho, filho do empresário Paulo Marinho, ex-aliado do Palácio do Planalto.

 

O vídeo em que Bebianno, que morreu em 14 de março do ano passado, narra o episódio foi veiculado durante o podcast Flow. A gravação foi feita seis dias antes antes da morte do ex-ministro.

“Num dia anterior, o Carlos [Bolsonaro] tinha irritado muito a todos nós por conta de ataques infundados, gratuitos, que ele tinha feito nas redes sociais em relação a uma série de pessoas, inclusive da equipe de comunicação, que trabalhavam muito aqui para que o projeto fosse bem sucedido”, disse Bebianno.

“E o Carlos disparou a metralhadora giratória por conta de ciumeira. Nesse dia, o Jair virou pra mim e falou assim: ‘Gustavo, processa ele! Processa ele!’ E eu disse: ‘Capitão, os seus filhos, não’. E ele disse: “Mas o moleque tem que aprender. Tá na hora de ele aprender’.”

“Talvez tivesse sido um acerto ter seguido a orientação dele, processado o Carlos. Talvez, se ele tivesse tomado um susto, amadurecesse um pouco, porque ele não tem a mínima ideia do mal que ele faz às pessoas”, completou.

Em outro momento do vídeo, Bebianno revela que esteve prestes a receber um convite de Jair Bolsonaro para assumir o Ministério da Justiça.

“Ele virou e falou: “Gustavo, você está isso aqui pra se tornar o próximo ministro da Justiça. Só que você precisa alongar o seu pavio. Você tem um pavio muito curto, e no mundo político tem que ter muita tolerância. Não pode pisar no calo de um deputado federal, senador, porque um movimento errado desses pode abrir uma crise com final imprevisível para o governo. Então, eu confio em você'”, contou o ex-ministro.

“Nesse dia eu falei para ele que não sabia se estava preparado para a função, não sabia se era isso o que eu queria, não sabia se seria essa a melhor contribuição que eu poderia dar para o meu País e para o governo dele”, recordou Bebianno.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo