Política

Itamaraty diz que embaixador do Brasil na Ucrânia coordenará posto da Moldávia

Devido à ofensiva russa em Kiev, o embaixador já havia sido transferido para um posto temporário em Lviv, cidade a leste do país, próxima à fronteira com a Polônia

Apoie Siga-nos no

O Ministério das Relações Exteriores (MRE) informou, em nota, que decidiu reorganizar temporariamente os trabalhos da Embaixada em Kiev, citando a deterioração das condições de segurança na Ucrânia, em meio à guerra com a Rússia.

O embaixador do Brasil na Ucrânia, Norton de Andrade Mello Rapesta, irá coordenar o posto da capital da Moldávia, Chisinau. Mello Rapesta acumula a função de Embaixador da Moldávia e, na sua capital, já está em funcionamento um posto de atendimento consular a cidadãos brasileiros que estão saindo do território ucraniano.

“O Ministério das Relações Exteriores decidiu reorganizar temporariamente os trabalhos da Embaixada em Kiev com o objetivo de expandir a atuação do posto nas rotas mais utilizadas pelos brasileiros ao deixar o território ucraniano”, diz a nota.

Devido à ofensiva russa em Kiev, o embaixador já havia sido transferido para um posto temporário em Lviv, cidade a leste do país, próxima à fronteira com a Polônia. Segundo o Itamaraty, o embaixador do Brasil em Sarajevo, Lineu Pupo de Paula, foi deslocado temporariamente para Lviv para coordenar o posto de atendimento consular aberto na cidade e a força-tarefa do MRE para apoio a cidadãos brasileiros na zona de conflito na Ucrânia.

“Os cidadãos brasileiros na Ucrânia continuam a contar com apoio de funcionários locais da Embaixada em Kiev, bem como das Embaixadas do Brasil na Polônia, Romênia, Hungria e Eslováquia, que seguem operando núcleos de apoio a brasileiros que estejam deixando a Ucrânia.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo