Política

‘Ir ao jogo é um direito meu’, diz Covas após comparecer à final da Libertadores

Críticos apontaram a falta de exemplo do prefeito, já que São Paulo está na fase mais rigorosa do isolamento

Prefeito de São Paulo, Bruno Covas. Foto: Patrícia Cruz/PSDB
Apoie Siga-nos no

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), respondeu à críticas feitas após ele ter comparecido à final da Copa Libertadores da América no sábado 30.

Em uma publicação no Instagram, Covas diz que “a lacração da Internet resolveu pegar pesado” e que respeitou “todas as normas de segurança determinadas pelas autoridades sanitárias” do Rio de Janeiro.

Covas explica que estava de licença em razão do tratamento de seu câncer, mas que tirou três dias de folgas não remuneradas para ir ao Maracanã.

“Depois de tantas incertezas sobre a vida, a felicidade de levar o filho ao estádio tomou uma proporção diferente para mim. Ir ao jogo é direito meu. É usufruir de um pequeno prazer da vida. Mas a hipocrisia generalizada que virou nossa sociedade resolveu me julgar como se eu tivesse feito algo ilegal.”, escreveu.

A presença do prefeito no estádio, que tinha convidados das equipes do Santos e Palmeiras, repercutiu pelo fato da cidade paulista estar atualmente na fase mais rígida do isolamento. Críticos apontaram a falta de exemplo do prefeito.

Além disso, as torcidas estavam restritas em apenas uma parte do estádio, o que gerou aglomeração e flagrantes de pessoas sem máscaras ao longo da partida.

“Todos dentro do estádio poderiam estar lá. Menos eu. Quando decidi ir ao jogo tinha ciência que sofreria críticas. Mas se esse é o preço a pagar para passar algumas horas inesquecíveis com meu filho, pago com a consciência tranquila”, concluiu Covas. Veja a publicação.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo