Indígenas denunciam Bolsonaro por genocídio no Tribunal de Haia

A denúncia também pede a condenação do presidente por omissão na gestão ambiental e ecocídio

Foto: Alan Santos/ PR

Foto: Alan Santos/ PR

Política

Lideranças de povos indígenas representadas pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) apresentam nesta segunda-feira 9 uma denúncia contra Jair Bolsonaro no Tribunal Penal Internacional de Haia.

A Apib acusa o presidente de cometer genocídio contra os indígenas brasileiros, omissão na gestão ambiental e ecocídio – quando se comete crime contra o planeta ou o meio ambiente. A informação é do jornal O Globo.

Segundo a reportagem, o documento que será entregue possui mais de 300 páginas com fatos e depoimentos que comprovariam a atuação criminosa de Bolsonaro. A Apib sustenta que o atual presidente desmontou as estruturas de proteção ambiental e demarcação de terras, desencadeando invasões, explorações ilegais, queimadas e desmatamentos.

 

 

“São fatos e depoimentos que comprovam o planejamento e a execução de uma política anti-indígena explícita, sistemática e intencional encabeçada pelo presidente Jair Bolsonaro”, destaca um trecho da denúncia que será entregue ao Tribunal.

O documento ainda reúne ações do governo federal e todas as declarações do presidente desde 2019 que, segundo a Apib, incentivaram diretamente a invasão, o garimpo e a exploração de terras indígenas.

O relatório da Apib destaca seis etnias diretamente afetadas pela política genocida: o povo Munduruku, os Yanomami, os Tikuna, os Guarani-Mbya, os Kaingang e os Guarani Kaiowá.

Caso o Tribunal considere que os elementos são suficientes para abrir um inquérito e fique comprovado que Bolsonaro cometeu os crimes, o presidente pode sofrer medidas cautelares e até prisão preventiva.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem