Indicada por Vélez como número 2 do MEC, Iolene Lima é demitida

Ex-secretária executiva foi o 3º nome em 3 meses e ficou no cargo por apenas oito dias

Reprodução Instagram

Reprodução Instagram

Política

O posto de secretário-executivo do Ministério da Educação (MEC) está, mais uma vez, vago. Iolene Lima, pastora evangélica indicada ao cargo pelo ministro Ricardo Vélez Rodríguez (Educação), informou nesta sexta-feira (21) que deixará o cargo.

A saída foi informada por meio da sua conta pessoal no Twitter. Sem prestar detalhes sobre a motivação, Iolene contou ter esperado uma semana para começar efetivamente no cargo, e então foi informada que não está mais no MEC. Confira a mensagem deixada por ela:

Confusão no MEC

A indicação de Iolene para o conhecido “cargo número 2 do MEC” foi anunciada por Vélez após a queda consecutiva de outras duas pessoas do posto de secretário-executivo: Luiz Tozi, que estava no cargo desde o início do governo, e Rubens Barreto da Silva, que nem chegou a assumir e continua como secretário-adjunto. A medida que atingiu os dois está no centro de uma briga entre os seguidores do escritor Olavo de Carvalho, que ocupam cargos no MEC, e outros grupos da pasta, como a ala técnica e militar.

Leia também: Pela primeira vez em 22 anos, Enem terá “supervisão” do governo

Ligada a escolas evangélicas, ela estava no ministério como diretora de capacitação desde o início do governo, e foi informada em 14 de março que assumiria o posto. Mas sua nomeação sequer foi publicada no Diário Oficial da União. O nome de Iolene enfrentou resistências na Casa Civil, que disputa, com aliados do governo, a indicação de cargos na estrutura da Educação.

A pastora evangélica atua na Primeira Igreja Batista de São José dos Campos (SP), atualmente conhecida como Igreja da Cidade. Também dirigiu, na cidade do interior de São Paulo, o Colégio Inspire, que segue uma “metodologia de educação por princípios” e apresenta todos os conteúdos programáticos dentro da “cosmovisão bíblica”.

Em entrevista para um canal evangélico, Iolene contou que é contra a educação laica e defende um ensinamento baseada nos princípios de Deus. “A geografia, a história e a matemática vão ser vistas sob a ótica de Deus, em uma cosmovisão cristã”, afirmou.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem