Política

Impedido de dar entrevista, Lula vai de ‘Cálice’ a ‘Opinião’ em artigo

Em texto para o jornal “Folha de S. Paulo”, o ex-presidente criticou a decisão da juíza Carolina Lebbos de impedi-lo de falar à mídia

"Podem me prender. Podem tentar me calar. Mas eu não mudo minha fé nos brasileiros"

Em artigo publicado pelo jornal Folha de S. Paulo nesta quinta-feira 19, o ex-presidente Lula faz um balanço do País nesses 100 dias em que ficou preso. No texto intitulado “Afaste de mim este cale-se”, verso consagrado da canção de Chico Buarque e Gilberto Gil sobre o silêncio imposto pela ditadura, o petista critica a decisão da juíza Carolina Lebbos, que o impediu de dar entrevistas ou gravar vídeos. 

Leia também:
TSE nega pedido do MBL para declarar Lula inelegível desde já
Vigília pró-Lula completa 100 dias com novo local e mobilização menor

Ao fim do artigo, ele termina com mais uma provável referência musical dos tempos de repressão, em uma aparente adaptação dos versos de “Opinião”, canção-tema do musical homônimo de 1964: “Podem me prender. Podem tentar me calar. Mas eu não vou mudar esta minha fé nos brasileiros”. Na canção original, os versos iniciais são: “Podem me prender, podem me bater / Podem até deixar-me sem comer / Que eu não mudo de opinião.”

Em 11 de julho, Lebbos negou pedidos de entrevistas e gravação de vídeos do jornal Folha de S.Paulo, do site Uol, da emissora SBT, do site Diário do Centro do Mundo e do fotógrafo Ricardo Stuckert.

Além de afirmar que não é direito de Lula a “liberdade de manifestação”, por seu contato com o mundo exterior não ser “total e absoluto”, ela afirmou que o ex-presidente está atualmente “inelegível” com base na Lei da Ficha Limpa.

O caso ainda não foi, porém, deliberado pela Justiça Eleitoral ou mesmo pelo Supremo Tribunal Federal. Nesta quarta-feira 18, Rosa Weber negou um pedido do Movimento Brasil livre para declarar Lula inelegível desde já. Segundo a ministra, o nome de Lula sequer foi escolhido em convenção partidária.

Sobre a recusa de Carolina Lebbos em autorizá-lo a conceder entrevistas, ele diz: “Parece que não bastou me prender. Querem me calar”. “Aqueles que não querem que eu fale, o que vocês temem que eu diga? O que está acontecendo hoje com o povo? Não querem que eu discuta soluções para este País? Depois de anos me caluniando, não querem que eu tenha o direito de falar em minha defesa.”

“É para isso que vocês, os poderosos sem votos e sem ideias, derrubaram uma presidente eleita, humilharam o país internacionalmente e me prenderam com uma condenação sem provas, em uma sentença que me envia para a prisão por “atos indeterminados”, após quatro anos de investigação contra mim e minha família? Fizeram tudo isso porque têm medo de eu dar entrevistas?”, questiona o ex-presidente.

Lula fez ainda um desafio a seus críticos. “Querem me derrotar? Façam isso de forma limpa, nas urnas.”

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!