Política

“‘Ideologia de gênero’ é o que mais mobiliza eleitor evangélico”

Amy Erica Smith, pesquisadora dos EUA analisa participação de evangélicos na política brasileira e a prioridade que esse grupo dá a temas morais

Concentração da Marcha para Jesus no Rio de Janeiro
Apoie Siga-nos no

A crescente participação de evangélicos na política brasileira fez com que a pesquisadora americana Amy Erica Smith, professora-associada de ciência política na Universidade de Iowa, estudasse o fenômeno para escrever o livro Religion and Brazilian Democracy: Mobilizing the People of God (Religião e Democracia Brasileira: Mobilizando o Povo de Deus, que será publicado no início de 2019 pela Universidade de Cambridge.

Em entrevista à DW, Smith afirmou que os representantes evangélicos têm duas prioridades na política nacional: “Defender interesses institucionais, principalmente a capacidade de evangelizar” e “combater o que chamam de ideologia de gênero“.

Leia também:
Do “kit gay” à carta dos evangélicos: candidatos miram religiosos
Em guerra nada santa, Edir Macedo mira a Globo e os católicos

A pesquisadora também ressalta que o apoio a Jair Bolsonaro está pautado no antipetismo e no que ela denomina de “homogenização dos votos” dos fiéis. 

DW: Como se deu a participação de representantes neopentecostais na política brasileira a partir da redemocratização, em 1985? É possível traçar uma linha evolutiva?

Amy Erica Smith: A participação pentecostal e neopentecostal começa ao longo da Constituinte, quando se elegeram 18 representantes pentecostais ou neopentecostais e 15 representantes evangélicos não-pentecostais. Desde 1986, a participação tem aumentado gradativamente, com algumas quedas temporárias, mas geralmente em paralelo com o aumento gradual da população evangélica no Brasil. Apesar do aumento no número de legisladores evangélicos, o eleitor evangélico era sub-representado no Congresso. Os evangélicos representam quase 30% da população, mas eram 17% da Câmara e só 4% do Senado no Congresso nos dados que tenho, até 2015. 

DW: Evangélicos e neopentecostais são protagonistas do cenário político atual? De que maneira?

AES: Em 2018, houve alta de 11% no número de candidatos utilizando nomes eleitorais que incluia algum termo religioso. Os evangélicos e neopentecostais tornaram-se um grupo organizado da sociedade civil. A igreja oferece um palanque importante para discutir a vida pública e as eleições. A maioria das igrejas evangélicas não apoia diretamente nenhum candidato, mas informalmente existem campanhas, muitas vezes impulsionados pelos fiéis. Em algumas igrejas, especialmente na Igreja Universal e nas Assembleias de Deus, existem campanhas formais.

DW:  É possível identificar um projeto de poder das igrejas evangélicas na política nacional? Onde seus representantes querem chegar?         

AES: De modo geral, as igrejas evangélicas querem duas coisas. A primeira é defender os interesses institucionais, o que inclui a capacidade de evangelizar. A segunda é promover as políticas públicas que a comunidade percebe como mais salientes, especialmente o combate ao que chama de ideologia de gênero. Há muitas questões políticas importantes na atual eleição, mas a “ideologia de gênero” é a questão com maior potencial mobilizador.

DW: Num artigo sobre o livro, a senhora diz que políticos religiosos nem sempre representam a vontade dos seus seguidores. O que explica, então, o aumento vertiginoso desse setor na política brasileira? É possível identificar um discurso que une os líderes religiosos, os representantes políticos e quem os elege?

AES: Sim, e esse discurso é exatamente a defesa dos interesses institucionais e o combate à “ideologia de gênero”. O representante evangélico muitas vezes não concorda com o eleitor evangélico no que tange à política econômica ou social. Por exemplo, existem diferenças claras entre os deputados e os eleitores evangélicos sobre questões como o Bolsa Família ou políticas de ação afirmativa. O deputado evangélico é bem mais conservador do que o eleitor evangélico nesses temas. Mas essas questões não são muito abordadas dentro das igrejas. O que mais importa para a mobilização evangélica é precisamente a “ideologia de gênero”.

DW: Essas discussões que abordam valores morais na sociedade e nas instituições estão fragmentando ainda mais a política brasileira?

AES: As discussões sobre esses temas não necessariamente têm que levar à fragmentação e à polarização, mas tendem a ter esse efeito. O que acontece é que tanto a comunidade religiosa conservadora quanto os grupos de esquerda têm pontos de vista muito distintos sobre esses temas. São temas morais, como a questão da homossexualidade, que não admitem compromisso ou o mínimo diálogo com o lado oposto. Além disso, os direitos LGBT são fundamentais para os dois lados. Para um grupo, é uma questão religiosa importantíssima. Para o outro grupo, é uma questão básica de direitos humanos. Tudo isso leva à polarização e impede qualquer tipo de compromisso.

DW: Qual a interpretação da senhora em relação ao apoio de grande parte dos evangélicos ao candidato Jair Bolsonaro?

AES: Eu acho que o apoio evangélico ao Bolsonaro baseia-se em vários fatores. Em primeiro lugar e acima de tudo, na questão da sexualidade ou da “ideologia de gênero”. Segundo, no antipetismo. Terceiro, no fato de que os processos sociais dentro da igreja pentecostal e neopentecostal funcionam para homogeneizar o voto. Ou seja, no processo de discussão sobre os candidatos, os fiéis evangélicos muitas vezes chegam a um acordo e geralmente tendem a votar no mesmo candidato a presidente.

DW: Qual o papel do pastor ou do líder religioso nessa “homogenização”?

AES: Às vezes o pastor indica ou apoia algum candidato, e às vezes não. Mas o efeito dessa indicação não é automático. Não necessariamente todo mundo tende a votar no candidato do pastor. Nas igrejas mais conservadoras, a tendência é que grande parte dos fiéis votará no mesmo candidato por meio do processo de discussão dentro da igreja.

DW: Há alguns dias, David Duke, representante da Ku Klux Klan (KKK) e supremacista branco, afirmou que Bolsonaro “soa como nós”. Essa associação faz sentido?

AES: A KKK dos Estados Unidos é um grupo que realmente não tem equivalente na história do Brasil, e não faz sentido associar o Bolsonaro a essa história de violência. Eu acho um fato muito importante o Bolsonaro ter rejeitado firmemente o apoio do Duke. Muitos políticos de direita dos Estados Unidos não fariam o mesmo. Mas mesmo assim, Bolsonaro tem uma retórica muito polarizadora sobre as questões raciais que “soa” (como disse Duke) algo parecida à retórica da onda direitista atual nos Estados Unidos. Veja, por exemplo, os comentários do Bolsonaro sobre os quilombolas.

DW_logo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.