Política

Guia Alimentar: Cientistas estrangeiros defendem diretriz sobre ultraprocessados

Ministério da Agricultura sugeriu a revisão do documento e a retirada de trechos que desencorajam o consumo dos alimentos ultraprocessados

Créditos: Divulgação
Créditos: Divulgação
Apoie Siga-nos no

Em carta aberta enviada ao Ministério da Agricultura, 33 cientistas estrangeiros saíram em defesa do Guia Alimentar para a População Brasileira, em meio à tentativa da pasta de retirar do documento orientações que desencorajam o consumo de alimentos ultraprocessados.

Os pesquisadores estrangeiros, de universidades renomadas dos Estados Unidos, Reino Unido, Canadá e África do Sul, citam que o texto do ministério, “evidentemente escrito sem uma compreensão da pesquisa científica sobre esse tema, levanta diversas críticas injustificadas das diretrizes da dieta brasileira publicadas pelo Ministério da Saúde”.

Ainda afirmam que o guia recomenda refeições saudáveis e que essas são constituídas por comidas frescas, preparadas com o mínimo de ingredientes processados (como sal, açúcar, óleos e gorduras). O documento foi lançado em novembro de 2014 pelo Ministério da Saúde.

“A diretriz recomenda evitar comidas ultraprocessadas. Essas são definidas precisamente pela classificação Nova. Elas incluem bebidas doces, salgadinhos e doces de pacotes, cereais de café-da-manhã adocicados, produtos reconstituídos de carne e pratos prontos para aquecer. Quanto menos desses itens forem consumidos melhor”, apontam.

Os pesquisadores atestam que a nota técnica encaminhada pelo Ministério da Agricultura não tem fundamentação válida e ainda desconsidera as consultas a nutricionistas e profissionais de todos os estados brasileiros antes da aprovação pelo Ministério da Saúde.

Na nota técnica em que pede a revisão do documento e a retirada dos trechos sobre os alimentos ultraprocessados, o Ministério da Agricultura afirma que a recomendação contra o consumo desses alimentos é genérica e obscura.

A classificação Nova utilizada é confusa, incoerente e prejudica a implementação de diretrizes adequadas para promover a alimentação adequada e saudável para a população brasileira”, diz um trecho da nota.

No documento, os técnicos da Agricultura atacam a forma de classificar a comida: “Em relação a diferenciação de ‘alimento ultraprocessado’ por meio da contagem do número de ingredientes (frequentemente cinco ou mais) parece ser algo cômico”, diz a pasta.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.