Guedes pede desculpas a domésticas e diz que críticas “semeiam discórdia”

'A mãe do meu pai foi empregada doméstica, qual o problema de fazer uma referência como essa?', acrescentou o ministro

Guedes pede desculpas a domésticas e diz que críticas “semeiam discórdia”

Política

O ministro da Economia, Paulo Guedes, pediu desculpas a empregadas domésticas que possam ter se ofendido com sua fala sobre idas à Disney, o que rendeu ao ministro uma enxurrada de críticas.

Mesmo assim, Guedes acrescentou, em um evento nesta quinta-feira 20, que a fala tinha sido “tirada de contexto” e que continuava a não ver problemas no que foi dito: “A mãe do meu pai foi empregada doméstica, qual o problema de fazer uma referência como essa?”, falou.

“Eu peço desculpas se tiver ofendido”, declarou rapidamente em uma cerimônia no Palácio do Planalto, onde voltou seu discurso para a defesa de uma economia para todos.

 

Depois, justificou novamente a fala explicando que os preços do dólar estavam “empurrando a população em direções equivocadas” e fazendo com que as pessoas não visitassem as praias do Nordeste, por exemplo. Para Guedes, porém, quem criticou sua fala contra as domésticas está “semeando discórdia” entre a população e o Governo.

No último dia 12, Guedes mencionou que o dólar alto era estratégico para o Brasil, e que, em tempos que a moeda se aproximava do R$ 1,80, empregadas domésticas iam “quatro vezes” aos parques da Disney. “Uma festa danada”, fala o ministro em um vídeo, em que critica a alegada atitude dos brasileiros de não visitarem outras localidades pelo País.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem