Política

Investigação

Grampo ilegal dentro da PF na Lava Jato volta à tona

por André Barrocal publicado 06/03/2017 10h01, última modificação 06/03/2017 10h50
Enquanto isso, surgem rumores de desmonte da operação e de troca de comando na PF
Valter Campanato / Agência Brasil
alberto youssef.jpg

Youssef: principal delator da Lava Jato, ele foi alvo de uma escuta ilegal

A estranha história de um grampo clandestino colocado pela Polícia Federal (PF) na cela do doleiro Alberto Youssef nos primórdios da Operação Lava Jato voltou à tona neste ano. Objeto de duas sindicâncias pouco esclarecedoras, o tema agora é tratado em um inquérito policial. 

Pode ser só coincidência, mas ao mesmo tempo em que o assunto ressuscita, surgem rumores sobre a saída do chefe da PF, o longevo Leandro Daiello, o qual, para certos delegados antipáticos a ele, deveria no mínimo ser convocado pelo Congresso para dar explicações sobre o episódio. 

O grampo na cela de Youssef na carceragem da PF no Paraná foi instalado no dia da prisão do doleiro, 17 de março de 2014, data em que a Lava Jato foi às ruas pela primeira vez. Funcionou por alguns dias, até ser descoberto pelo detento. 

Uma sindicância foi aberta ainda em 2014 para apurar o caso. No comando, o delegado Mauricio Moscardi, uma das estrelas da Lava Jato. Conclusão dele: a escuta era velha, estaria ali desde a passagem do traficante Fernandinho Beira-Mar pela carceragem paranaense da PF, em 2008. 

Para embasar seu relatório, Moscardi usou, entre outras coisas, um parecer do agente especialista em escutas lotado na PF no Paraná, Dalmey Werlang. Segundo o parecer, o equipamento poderia ser de fato antigo. 

Mais tarde, Werlang admitiu ter sido ele o instalador do grampo. E que o fizera na época da prisão de Youssef, por ordem de cima. Contou isso, por exemplo, em julho de 2015, em depoimento a uma CPI da Petrobras criada naquele ano na Câmara dos Deputados. 

Na CPI, o agente deu nome aos bois. A ordem teria partido dos delegados Rosalvo Franco, chefe da PF no Paraná, Igor Romário de Paula, chefe da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado no estado, e Marcio Anselmo, chefe do inquérito original da Lava Jato. 

A CPI convocou Moscardi e Franco. Mas eles recorreram ao Supremo Tribunal Federal (STF) com um pedido de habeas corpus. Não queriam depor e, se tivessem de comparecer, pediam para ser dispensados de dizer a verdade. Conseguiram um HC para não dizer a verdade.

Em seu relatório final, de outubro de 2015, a CPI recomendava à Procuradoria Geral da República que acompanhasse o caso, “devido à probabilidade de os delegados da Polícia Federal terem realizado a coleta ilícita de provas da Operação Lava Jato”.

Uma segunda sindicância da PF foi instaurada em 2015. Ficou a cargo do delegado Alfredo Junqueira, da Corregedoria. Foi concluída sem apontar quem teria dado ordens a Werlang, embora reconheça que ele não agira por conta própria.

Junqueira propôs um processo disciplinar contra Moscardi, o chefe da primeira sindicância, por negligência. E um inquérito policial contra Werlang, por “falsidade ideológica”, afinal, o agente assinara o parecer suspeito usado por Moscardi sobre a possibilidade de ser uma escuta antiga.

O inquérito contra Werlang foi aberto em 31 de janeiro 2017, sob o número 01/2017, segundo relata em seu blog um jornalista colaborador de CartaCapital, Marcelo Auler, que acompanha o assunto desde as sindicâncias. À frente do caso, o delegado Marcio Xavier, da Corregedoria. 

Em uma reportagem recente de CartaCapital, intitulada “Começou o desmonte”, uma autoridade de Brasília, dessas que dominam o universo de policiais, procuradores e tribunais, dizia que o inquérito do grampo clandestino é o segredo de um silencioso desmonte da Lava Jato em curso na PF. 

Seria a fonte do poder do diretor-geral da PF de segurar a operação agora que ela avança sobre PMDB, PSDB e companhia. Uma forma de Daiello, a partir de algum acerto com o governo, como uma promoção para o exterior, seu sonho, livrar-se de delegados envolvidos até o pescoço na Lava Jato e nos grampos. 

Curiosamente, surgem notícias de que o diretor-geral estaria com os dias contados. Na quinta-feira 2, a Bandnews noticiou que ele estaria a negociar sua saída com o governo, algo para se concretizar ainda neste mês. E que deixaria uma lista com dez nomes como sugestão de sucessor. 

Entre delegados que querem a cabeça de Daiello, o segundo mais longevo chefe da história da PF, há quem diga que ele tem parcela de culpa no caso das escutas. E que deveria ser convocado pelo Congresso para explicar o assunto, tido como desgastante para a imagem da PF.