Governo suspende edital do Prêmio Nacional das Artes anunciado por Alvim

Segundo a pasta, o novo secretário deve decidir a continuidade da iniciativa. A atriz Regina Duarte foi convidada para o cargo

O secretário especial de Cultura, Roberto Alvim. Foto: Ministério da Cidadania

O secretário especial de Cultura, Roberto Alvim. Foto: Ministério da Cidadania

Política

A Secretaria Especial da Cultura decidiu esperar a chegada do novo secretário da pasta para decidir a continuidade do edital do Prêmio Nacional das Artes. A informação foi confirmada pela assessoria da pasta, que afirmou que o edital não chegou a ser publicado no Diário Oficial da União.

O prêmio foi anunciado pelo ex-secretário Roberto Alvim, no polêmico vídeo em que ele parafraseou o discurso de Joseph Goebbels, ministro de Hitler na Alemanha nazista. Alvim foi demitido do cargo no último dia 17, após ampla repercussão negativa da mídia. A atriz Regina Duarte é a cotada para assumir o cargo, depois de convite feito pelo presidente Bolsonaro, ela consentiu iniciar um período de testes à frente da pasta, que começa hoje. Nesta quarta, a atriz está em Brasília para conhecer parte da estrutura e da equipe da Secretaria da Especial da Cultura.

 

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, do Ministério Público Federal, encaminhou na terça-feira 21 à Procuradoria-Geral da República uma recomendação para anulação de todos os atos de Alvim. “O agente público em questão tem, pelo menos, admiração pela perspectiva de arte do nazismo. E como sob o seu cargo se desenvolviam todas as medidas relativas à cultura, não é demasiado concluir que, no período em que o ocupou, levou para essa área a compreensão estética que tão desabridamente revelou no vídeo”, diz trecho da representação.

O documento ainda traz pedido de responsabilização administrativa e criminal do então secretário Especial de Cultura, Roberto Alvim.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem