Governo Bolsonaro quer salário mínimo sem aumento real em 2020

Ministério da Economia recomenda que o reajuste reponha somente o aumento da inflação, fixando o piso em 1.040 reais

Governo Bolsonaro quer salário mínimo sem aumento real em 2020

Economia,Política

Se depender dos cálculos do Ministério da Economia, o salário mínimo não terá aumento real no ano que vem. A pasta chefiada por Paulo Guedes apresentou nesta segunda-feira 15 as Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para o ano de 2020.

 

A LDO estabelece as metas e prioridades do governo para o ano seguinte. Sob esses cálculos, o salário mínimo ficará em 1.040 reais, sem aumento acima da inflação prevista para os próximos doze meses pelo INPC — em janeiro deste ano, Bolsonaro fixou o piso em 998 reais. O texto seguirá para aprovação do Congresso.

 

O orçamento previsto para o próximo ano é de 296 bilhões de reais, e a meta fiscal prevista é um resultado negativo de 124,1 bilhões. Inicialmente, o governo previa um rombo menor, de quase 90 bilhões.

 

O governo também prevê que o PIB cresça 2,7%, já levando em conta a aprovação da reforma da Previdência. Argumentam que as projeções estão de acordo com os cálculos do mercado. “O ministério coloca sinais de ampla consistência na busca de uma liberal-democracia, com respeito a contratos, incentivo ao setor privado”, justificou o secretário especial da Fazenda Waldery Rodrigues.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem