Política

Glenn Greenwald rebate denúncia do MPF: “É um ataque à imprensa livre”

Editor do site The Intercept Brasil disse que procurador usa cargo para atacar inimigos políticos

O jornalista Glenn Greenwald, editor do site The Intercept Brasil. Foto: Laycer Thomaz/Câmara dos Deputados
Apoie Siga-nos no

O editor do site The Intercept Brasil Glenn Greenwald publicou um vídeo de resposta à denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra ele e mais seis pessoas no âmbito da Operação Spoofing. A denúncia é assinada pelo procurador Wellington Divino de Oliveira, o mesmo que denunciou o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, por calúnias contra o ministro Sergio Moro.

No entendimento do MPF, houve prática de organização criminosa, lavagem de dinheiro e interceptações telefônicas ilegais pelos investigados. Embora tenha sido denunciado, Greenwald não havia sido indiciado pela Polícia Federal. Segundo o órgão, provas demonstram que o jornalista auxiliou, incentivou e orientou o grupo durante o período das invasões.

Greenwald acusou o procurador de utilizar seu cargo público para atacar inimigos políticos. Além disso, ressaltou que a Polícia Federal concluiu que não houve crime por sua parte.

“É um ataque contra a imprensa livre, obviamente, contra a nossa reportagem, mas também contra a Polícia Federal e o Supremo Tribunal Federal, que disse que eu não posso ser investigado, muito menos denunciado, porque é uma violação do direito constitucional de uma imprensa livre”, queixou-se.

O jornalista também relacionou o caso ao governo do presidente Jair Bolsonaro.

“Isso é obviamente uma retaliação pelo governo Bolsonaro. Nós nunca vamos ser intimidados para ninguém abusando o aparato do Estado. Nós vamos continuar a fazer o nosso jornalismo, estou fazendo o nosso trabalho agora para a próxima reportagem e vamos sempre defender a imprensa livre”, afirmou.

Em nota, o site The Intercept Brasil argumentou que os diálogos utilizados pelo MPF na denúncia são rigorosamente os mesmos que já haviam sido analisados pela Polícia Federal durante a Operação Spoofing, e não houve qualquer imputação de conduta criminosa a Greenwald.

O site escreve ainda que a Polícia Federal concluiu que “não é possível identificar a participação moral e material do jornalista Glenn Greenwald nos crimes investigados”.

“Causa perplexidade que o Ministério Público Federal se preste a um papel claramente político, na contramão do inquérito da própria Polícia Federal. Nós do Intercept vemos nessa ação uma tentativa de criminalizar não somente o nosso trabalho, mas de todo o jornalismo brasileiro. Não existe democracia sem jornalismo crítico e livre”, pronunciou-se o site.

O analista de sistemas Edward Snowden também protestou. Famoso por tornar públicos os detalhes de programas do sistema de vigilância global americano NSA, Snowden comparou o caso à ação contra o jornalista do Wikileaks, Julian Assange.

No Twitter, Snowden escreveu que o Departamento de Justiça americano indiciou Assange sob uma “teoria jurídica de que somente publicar claramente um jornalismo de interesse público poderia constituir múltiplas violações da Lei de Espionagem”. O analista compartilhou uma postagem em que um repórter da Vice News, David Uberti, faz a mesma comparação.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo