Política

Gleisi diz que Lula não deve atender a ‘mi mi mi’ do mercado

Ela também afirmou que não haverá nova carta ao povo brasileiro e nem ‘superministro’ da Fazenda

Foto: Agência Câmara (Foto: Agência Câmara)
Foto: Agência Câmara (Foto: Agência Câmara)
Apoie Siga-nos no

A presidente do PT Gleisi Hoffmann, que deve comandar a campanha do partido, afirmou que o ex-presidente Lula da Silva não deve buscar caminhos para acalmar os ânimos dos investidores e empresários durante a campanha presidencial – ao contrário do que fez há vinte anos, em 2002, com a Carta ao Povo Brasileiro. 

“Não tem necessidade de carta ao povo brasileiro, as pessoas já conhecem o Lula. Não precisamos mais de um Palocci”, disse Gleisi, em referência ao ministro da Fazenda de Lula, que agradava investidores e empresários à época. As declarações foram feitas ao jornal O Globo. 

Apesar de a campanha ainda não ter começado, o PT já adianta que planeja revogar o teto de gastos, a política de preços da Petrobras e a reforma trabalhista.

“A única coisa que não vamos fazer é quebrar contratos, como o Bolsonaro fez com os precatórios. O resto nós vamos fazer. E não tem mimimi do mercado. Um país que não tem dívida externa, que tem este mercado consumidor não pode ter o povo com fome e sem renda”, completou.

Como principal promessa eleitoral, a presidente da sigla aponta a revogação do teto de gastos. 

“O teto de gastos está desmoralizado e deve ser um dos primeiros a serem liquidados. Bolsonaro fez o orçamento de guerra e muitas outras coisas fora do teto aos olhos do mercado e agora querem exigir de nós respeito ao teto?”

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.